Projetos baseados em dados que 'seguem o dinheiro' na América Latina recebem financiamento do HacksLabs

por Mariano Blejman
Jul 24, 2014 em Diversos

Cinco projetos baseados em dados produzidos durante a hackatona regional receberão apoio do HacksLabs, o primeiro acelerador de projetos de jornalismo de dados na América Latina.

Os projetos focam em melhorar a transparência e responsabilidade na Colômbia, Chile e Argentina. A hackatona regional, que coordenei como parte da minha bolsa do Knight International Journalism Fellowship do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), foi realizada em 12 cidades da América Latina e uma cidade dos Estados Unidos. Participaram mais de 320 pessoas, entre jornalistas, programadores e designers envolvidos no engajamentos dos cidadãos e inovação no jornalismo de dados.

A maratona hacker, cujo objetivo principal foi promover o engajamento do cidadão e a participação dos jornalistas na transparência, responsabilidade e eficiência nos gastos públicos, é uma iniciativa do Centro Internacional para Jornalistas, o John S. and James L. Knight Foundation, o Instituto do Banco Mundial e o programa OpenNews Knight-Mozilla.

Os projetos vão receber pequenas doações (quatro de US$2.000 e um de US$1.000), bem como orientação dos bolsistas do Knight-Mozilla OpenNews Fellowship. Todos os projetos foram produzidos durante as reuniões dos capítulos Hacks/Hackers locais em Assunção, no Paraguai; Buenos Aires, Argentina; Bogotá, Colômbia; Cidade da Guatemala, Guatemala; La Paz, Bolívia; Lima, Peru; Mendoza, Argentina; Cidade do México, México; Montevidéu, Uruguai; Rosário, Argentina; Santiago, Chile; e São Paulo, Brasil. O capítulo do Hacks/Hackers de Miami, na Flórida, também participou da maratona hacker regional.

Os projetos vencedores são: Yo Intervengo, um sistema online para representar visualmente e seguir obras públicas e o caminho de fundos destinados a investimentos públicos na Colômbia.

Dinero Verde, uma ferramenta baseada na Web para produzir e analisar métricas sobre como o dinheiro público colombiano é gasto em contratos e licitações. A ferramenta irá produzir alertas sobre a ineficiência, possível corrupção e gastos excessivos.

Destapados, uma ferramenta baseada em um jogo argentino popular online para fornecer e trocar dados sobre os gastos do dinheiro público.

Financiamento de campanhas eleitorais, uma ferramenta para analisar e geolocalizar dados sobre financiamento e gastos de campanhas eleitorais na Argentina.

El Abuso del Multirut, uma ferramenta de visualização para acompanhar a criação de empresas "proxy" que sonegam impostos e enfraquecem os sindicatos e as capacidades de negociação dos trabalhadores no Chile.

Um total de 105 propostas foram apresentadas para a maratona hacker regional e 38 delas foram desenvolvidas. Você pode ver toda a série de projetos na HackDash, uma ferramenta colaborativa para rastrear projetos baseados em dados globalmente. O evento também serviu para estimular a participação e aumentar o número de capítulos Hack/Hackers na América Latina.

Os projetos vencedores foram selecionados por um painel internacional cujos membros realizaram uma avaliação cuidadosa do potencial para o engajamento do cidadão, escalabilidade e capacidade para que o projeto seja replicado. Cada projeto receberá orientação durante dois meses e competirá por uma bolsa de US$10.000 para aumentar seu potencial.

A comissão de seleção foi composta por Burt Herman do Hacks/Hackers, Erika Owens da Knight-Mozilla Open News; Sandra Moscoso do Instituto do Banco Mundial; Jorge Luis Sierra, diretor do Knight International Journalism Fellowships do ICFJ; e eu.

O Instituto do Banco Mundial também concedeu um prêmio de US$1.000 para dois projetos em La Paz, na Bolívia -- Enterate Ya, Tramites 2.0, -- e um prêmio especial de US$400 para Elige Bien, um projeto produzido durante o Bootcamp de Dados na Bolívia e focado em dados sobre os candidatos à presidência do país.

Mariano Blejman, bolsista do Knight International Journalism Fellowship, está criando a primeira competição de inovação jornalística na América Latina.

Imagem cortesia de Mariano Blejman