Precisa de um portfólio online rápido e gratuito? Experimente o Cuttings.me

por Nicole Martinelli
Dec 27, 2011 em Freelance

Jornalistas que precisam urgentemente criar um portfólio online podem usar o site cuttings.me.

O site de serviço gratuito, lançado pelo jornalista Nicholas Holmes, promete exibir em minutos seus artigos em uma página personalizada para quem quiser ver o seu trabalho.

A ideia é oportuna, pois recentemente as demissões em jornais americanos cresceram em 30 por cento, e assim muita gente vai ter que atualizar o currículo e criar um portfólio online.

A IJNet conversou com Holmes sobre o porquê você deve confiar no site dele e o teste decisivo para um jornalista empreendedor.

IJNet: Qual é a vantagem de usar cuttings.me em vez de um blog próprio, website, tumblr ou algo similar?

Nicholas Holmes: O Cuttings.me leva apenas alguns minutos para configurar e personalizar, assim você tem imediatamente uma página atraente listado título, biografia e links de mídia -- é muito mais rápido. Também é projetado para ser muito mais fácil de atualizar, um problema que muitas pessoas têm com blogs ou websites comuns. Adicionar um artigo com imagens é realmente fácil e jornalistas pode reorganizar a ordem de acordo com sua preferência, agrupando artigos ou classificando-os por data, etc. É esta flexibilidade que achava que fazia falta nas soluções avançadas de blog por aí.

IJNet: Existe backup para os perfis, no caso de fechar o site ou ficar parado por algum motivo?

NH: O site Cuttings.me usa os serviços de Web da Amazon (assim como sites como o Airbnb, Quora, Tweetdeck e Yelp), então este tipo de incidente deve ser raro, felizmente -- múltiplos backups são feitos regularmente também. Não imagino que fecharei o serviço -- é muito popular!

IJNet: Que conselho você daria para jornalistas interessados ​​em partir para um empreendimento?

NH: Eu só posso falar do ponto de vista tecnológico, mas assumindo que os empresários estão aí para resolver problemas, eu diria que a primeira pergunta que deveria normalmente ser feita é "eu usaria isso?". Se a resposta é um "sim" convicto, como foi na minha experiência, então você sabe que tem algo digno de gastar seu tempo. Em seguida, levei a ideia para as pessoas que sabia que seria meu mercado-alvo (não amigos e familiares) e fiz a mesma pergunta. Quando obtive a mesma resposta, a ideia ganhou um pouco mais de força. Assim tive uma boa noção da necessidade, sabia que gostava de fazer, e ir em frente parecia ser a coisa certa.

Daí, foi o caso de construir, o que para muitos, será o aspecto mais complicado. Uma leitura que recomendo é um "minimum viable product" -- que significa colocar algo em conjunto que pode provar o seu conceito sem quebrar o banco (em termos de tempo e dinheiro) e assim limitando os riscos associados com o desenvolvimento da ideia. A primeira versão do cuttings.me era ridiculamente simples, mas provou ser popular o suficiente para que eu percebesse que valia a pena prosseguir. Cresceu desde então, mas tenho tido o cuidado de solicitar feedback do usuário ao longo do caminho para me certificar de que em cada formato do produto, o cuttings.me está no caminho certo para resolver os problemas que inspiraram o site em primeiro lugar.

Lançado em outubro de 2011, o site cuttings.me hospeda atualmente cerca de 2.000 perfis de jornalista. Para conhecer mais sobre o site, clique aqui.