Organizações de mídia testam novos recursos de jornalismo digital nas Olimpíadas de Inverno

porChristine Schmidt
Feb 14, 2018 em Jornalismo digital

Cada edição das Olimpíadas oferece uma cidade anfitriã interessante, histórias de triunfo atlético e uma oportunidade para as organizações de notícias testarem novas tecnologias com um evento global meticulosamente programado.

As Olimpíadas de Inverno de 2018 não são diferentes. Aqui estão alguns dos experimentos na cobertura digital de notícias digitais das Olimpíadas para ficar de olho até 25 de fevereiro.

NBC (+ Snapchat + BuzzFeed)

A orgulhosa proprietária dos direitos de transmissão americanos dos Jogos nos Estados Unidos, a NBC combina vídeo de realidade virtual e vídeo ao vivo, um podcast colaborativo com a Vox Media e, é claro, o Snapchat, graças ao investimento da NBCUniversal na empresa.

No aplicativo NBC Sports VR, as imagens estão disponíveis para serem vistas em aparelhos de realidade virtual como o Google Cardboard/Daydream, Samsung Gear VR e dispositivos de realidade mista do Windows, ou você pode assistir apenas com seu telefone (é necessário inclinar seu telefone para ver melhor.) No início dos Jogos, mostrou o público por trás das cenas no estádio e os atletas se preparando para competir. Mas as pessoas veem as Olimpíadas pela experiência imersiva ou pelas histórias de tirar o fôlego do esporte?

Para este último, a NBC está transmitindo grande parte dos Jogos ao vivo, anunciados como "as Olimpíadas de Inverno mais ao vivo da história", incluindo uma parte no Snapchat. Segundo Sahil Patel do Digiday, a NBC apresentará a ferramenta Snapchat Live projetada para redes de TV para cobrir momentos-chave dos jogos. Também utilizará cartões incorporados nas Histórias do Snapchat para mostrar a programação dos Jogos, contagens de medalhas, etc. e lançar novos programas no Snapchat Discover. Os programas claramente se encaixam no estilo rápido e excitante do Snapchat, que a NBC News já testou com seu programa duas vezes por dia. Os programas apresentam os desafios que os olímpicos enfrentam para competir e as histórias de como chegaram às Olimpíadas.

O BuzzFeed (que também recebeu um investimento pesado da NBCUNiversal) está trabalhando com a NBC para criar conteúdos para o Snapchat, semelhante ao seu acordo em 2016. E Natalie Jarvey, do Hollywood Reporter, também observa que a cobertura especial da NBC será mostrada aos usuários do Uber (não necessariamente na Coréia do Sul) durante os Jogos através do aplicativo Uber, mostrando entrevistas "exclusivas" no carro, enquanto os [atletas e anunciantes] viajam para vários locais de Pyeongchang."

Os espectadores também podem saciar sua sede pelas histórias sobre os Jogos Olímpicos através da parceria de podcast da NBC com a Vox chamada The Podium. O podcast foi apresentado em dezembro, com episódios iniciais centrados no contexto político e cultural global desses Jogos, mas também inclui um episódio patrocinado pela Intel sobre como a tecnologia está mudando as Olimpíadas. (Olha só: A NBCUniversal também é um investidor na Vox Media.)

New York Times

Como meu colega Ricardo Bilton reportou, o New York Times trouxe de volta seu recurso de mensagens pessoais conectando leitores a um repórter no local. Em vez de usar o SMS, como nas Olimpíadas de 2016, a equipe melhorou o seu aplicativo para dispositivos móveis (eles descobriram que é muito mais econômico do que o envio de mensagens de massa!) e para personalizar o conteúdo enviado aos usuários com base em interesses esportivos específicos.

"Um dos grandes benefícios aqui é que controlamos o espaço todo", disse Troy Griggs, editor de gráficos no Times, a Ricardo. "Muito mais está em mesa agora. Qualquer experiência interativa que construímos agora podemos combinar de uma maneira que não poderíamos em outros lugares, mesmo no Instagram ou Snapchat. Podemos realmente integrar nosso conteúdo e experiência de uma maneira nova."

Imediatamente após o anúncio sobre a realidade aumentada --"Algo profundo aconteceu com sua câmera"-- o Times também apresentou a cobertura das Olimpíadas em realidade aumentada. Sua primeira matéria explora a dinâmica multidimensional dos corpos olímpicos.

A experiência de realidade aumentada completa está disponível no aplicativo iOS do Times, com alguns visuais bacanas mas de sub-realidade aumentada, também disponíveis no site. O Times também traduziu seu recurso de realidade aumentada em quatro páginas do impresso.

Washington Post

Em 2016, o Post usou um bot para escrever determinadas matérias sobre resultados das Olimpíadas (há muitos eventos!). Este ano, o Post disse que iria "contar histórias automatizadas para gerar atualizações curtas de várias frases sobre as cerimônias de abertura e encerramento, eventos de medalhas e as últimas atualizações em grandes categorias esportivas como patinação artística e hóquei", apesar de que tanto o bot no Twitter e o bot no Messenger parecem estar adormecidos neste ciclo.

O Post também apresentou um jogo baseado em teste de realidade aumentada em seu aplicativo clássico para que os usuários possam brincar com a velocidade dos competidores em nove esportes olímpicos de inverno. Não tenho certeza do que mais o componente de realidade aumentada adicionou além de uma experiência em interiores, já que os mini atletas corriam sobre meu teclado em vez de apenas manter o jogo dentro do aplicativo.

A cobertura das Olimpíadas do jornal também inclui um boletim informativo diário e, em um reconhecimento da inclinação recente do Post em desmistificar o trabalho dos jornalistas, narrativas de primeira pessoa sobre a cobertura dos Jogos por parte da jornalista Chelsea Janes, que cobre uma Olimpíada pela primeira vez.

Outras maneiras em que mídias estão olimpiando

Este artigo foi publicado originalmente no Nieman Lab. Foi editado e republicado com permissão na IJNet. 

Imagem principal sob licença CC por pexels via bruce mars