Novo site dedicado a repórteres que cobrem saúde na África

por Jessica Weiss
Nov 15, 2013 em Temas especializados

Repórteres que cobrem saúde na África têm uma nova maneira de melhorar sua compreensão da editoria e se conectar com outros da mesma área: o site da African Health Journalism Association, AHJA (Associação Africana de Jornalismo de Saúde).

O site, que dispõe de recursos de aprendizagem, melhores práticas de reportagem de saúde e uma rede vibrante de mais de 200 jornalistas e especialistas, foi lançado no recente African Media Leaders Forum, em Addis Abeba, Etiópia.

A associação, formada em junho de 2012 como a primeira associação profissional de jornalistas de saúde em todo o continente, pretende usar o site para promover o desenvolvimento profissional de jornalistas que cobrem saúde, reforçar as matérias de saúde nos meios de comunicação e promover o diálogo e entendimento entre jornalistas e especialistas. Tudo isso , a organização acredita, pode ter um efeito direto sobre a saúde dos africanos.

"Queremos ver a melhoria na infraestrutura e sistemas, como a melhoria da saúde materna e infantil e diminuição da taxa de mortalidade de saúde", disse Declan Okpalaeke, o jornalista nigeriano que está liderando a associação como parte de sua bolsa do ICFJ Knight International Journalism Fellowship. "Queremos ver os meios de comunicação definindo a agenda dos políticos, para sistemas de saúde e instituições de saúde."

Okpalaeke disse que o site tem tudo necessário para notícias e informações de saúde na África. Possui vídeos de treinamento e acesso a uma gama de especialistas. Recursos manuais e páginas de dados podem ajudar os jornalistas a disseminar informações importantes sobre temas como vacinas e obesidade. O site também fornece uma lista constantemente atualizada de eventos e conferências relacionadas com saúde e destaca excelentes exemplos de matérias de saúde em toda a região.

O site também vai ajudar a facilitar uma das principais metas do AHJA: conectar os jornalistas que querem colaborar com reportagens transfronteiriças. Discussões online e cursos regulares visam ajudá-los a começar.

"Através da nossa rede, podemos ligar os jornalistas com histórias transfronteiriças e ver como se comparam as condições de saúde em seus países", disse Okpalaeke. "Há sempre lições a aprender com outros jornalistas que cobrem as mesmas questões."

Visite o site da AHJA aqui, curta sua página no Facebook e siga-o no Twitter.

Foto de Declan Okpalaeke cortesia do ICFJ