Mídia tradicional e de cidadão se unem para expor crimes no Panamá

porMaite Fernandez
Jul 5, 2011 em Jornalismo digital

Pedestres assaltados em uma ponte e uma quadrilha de traficantes que opera a partir de um edifício perto de um restaurante bem conhecido na cidade capital.

Estas são algumas das queixas recebidas pelo "Mi Panamá Transparente" (MPT), um site que investiga e publica reportagens de cidadão sobre corrupção e criminalidade, em colaboração com a mídia tradicional.

Lançado em junho de 2010, o site recebeu mais de 300 queixas e há planos para reproduzir o projeto no México, Colômbia, Venezuela e Guatemala.

O site usa a plataforma Ushahidi, um software de mapeação de fonte aberta usado no Quênia em 2008 para manter os cidadãos informados durante a violência pós-eleitoral.

O MPT permite aos cidadãos relatar online ou via mensagem de texto qualquer crime ou ato de corrupção. Depois de receber a denúncia, a equipe do projeto entra em contato com a pessoa que apresentou o relatório para investigar e verificar sua veracidade.

Uma sucesso recente veio depois que moradores reclamaram da falta de iluminação em uma ponte de pedestres sobre uma rodovia de quatro pistas em San Pedro, uma área metropolitana densamente povoada da Cidade do Panamá.

Várias pessoas relataram terem sido assaltadas na ponte, um local preferido por gangues locais para rituais de iniciação. Os residentes evitam a ponte e preferem atravessar a estrada em meio ao tráfego pesado.

O artigo foi publicado no jornal La Prensa, um dos principais do Panamá, que trabalha com MPT. Logo após, a iluminação da ponte foi restaurada e a polícia prometeu enviar mais patrulhas para a área.

Para Jorge Luis Sierra, um premiado jornalista investigativo e líder do projeto, este é um exemplo do impacto positivo do MPT e como as pessoas e a mídia podem trabalhar juntos. Sierra começou o projeto como parte de uma bolsa da Fundação Knight.

"O problema da imprensa (no Panamá) é que ela não cobre notícias da comunidade. A mídia se concentra apenas no noticiário político. Para a mídia isso não é notícia", disse Sierra. Ele acrescentou que os repórteres não têm tempo para matérias que não são notícias de última hora. "Devemos mudar a cultura nas redações."

O MPT também oferece treinamento aos jornalistas do Panamá com o objetivo de produzir matérias de melhor qualidade. O MPT trabalha com o Transparência Internacional e com a mídia tradicional no Panamá, como os jornais La Estrella e Panama America e duas emissoras de TV. O projeto treinoi 112 jornalistas até o momento.

O diretor do MPT explicou que o Panamá se tornou uma das vítimas do tráfico de drogas nos últimos anos. Diversos cartéis de drogas, incluindo o Cartel de Sinaloa e os Zetas, estão ativos na América Central, utilizando esta área como um corredor para transporte de drogas e movendo suas bases de operações para esses países, aumentando as taxas de violência.

A taxa de assassinato no Panamá quase duplicou nos últimos três anos, de acordo com o Economist.