Jornalistas devem usar resumos de imprensa para informar sobre notícias mundiais?

por Lindsay Kalter
Jun 13, 2012 em Jornalismo básico

Com a cobertura da mídia oscilando de acordo com o contexto geográfico e político, resumos de imprensa são muitas vezes utilizados como uma imagem cultural instantânea de notícias globais. Mas esses comentários não conseguem fornecer a visão mais precisa da opinião nacional, disse Stephen Ennis, analista de mídia russa da BBC Monitoring.

No blog de ​​jornalismo da BBC, Ennis discutiu as desvantagens do uso de resumos de imprensa para avaliar as atitudes do público em países onde a liberdade de imprensa é limitada. O caso em questão foi a cobertura feita pela mídia russa do massacre na cidade síria de Houla.

"A televisão russa minimizou a importância da tragédia e tentou culpar as forças anti-Al Assad. Esse foi o ângulo fundamental para a história na Rússia," disse Ennis.

As reportagens nos três principais canais de televisão controlados pelo Estado (Rossiya 1, Canal Um e NTV) são geralmente construídas ao gosto das autoridades nacionais, ele explicou.

Ele também afirmou que os jornais russos, como o Kommersant cobriu a história "de uma forma semelhante à maioria dos meios de comunicação ocidentais", mas que a maior parte dos consumidores de notícias russos obtém informações pela televisão -- 5 a 10 milhões, em comparação com 2 a 3 milhões que leem o jornal mais popular, Komsomolskaya Pravda.

"A maioria dos jornais russos é lida por bem menos de 1 por cento da população adulta," disse Ennis.

Compare isso com o resumo mais equilibrado do banho de sangue pela BBC, que levou em conta meios de comunicação no Oriente Médio, Rússia, China e França.

O que você acha: Os resumos de imprensa informam de maneira ética sobre eventos internacionais?

Via BBC College of Journalism Blog

Imagem: Morguefile