Jornalista do mês: Kourosh Ziabari

porTaylor Mulcahey
Mar 03 em Jornalismo investigativo

A cada mês, a IJNet apresenta um jornalista internacional que exemplifica a profissão e usa o site para promover sua carreira. Se você gostaria de ser apresentado, envie um e-mail com uma biografia curta e um parágrafo sobre como usa os recursos da IJNet, aqui.

Kourosh Ziabari cresceu na redação de uma pequena revista semanal, chamada Hatef, que foi uma das primeiras revistas locais estabelecidas no norte do Irã após a revolução de 1979.

Seu pai atualmente trabalha como diretor, e sua mãe é a editora-chefe. Foi nesta revista que Ziabari publicou seu primeiro artigo quando tinha apenas 8 anos de idade.

"Abriu meus olhos para um mundo cheio de jornais, revistas, livros e papéis, e percebi que meu futuro estaria vinculado ao jornalismo", disse Ziabari.

Inicialmente planejando seguir um caminho diferente dos seus pais, Ziabari queria cursar faculdade de matemática. No entanto, um professor do ensino médio o encorajou a estudar literatura inglesa.

"E isso foi que mudou dramaticamente meu futuro", lembra Ziabari.

Desde então, ele colaborou com jornais iranianos, como Shargh e Etemaad e logo depois ampliou seus horizontes contribuindo para publicações em língua inglesa no exterior. Seu trabalho já apareceu no Huffington Post, Fair Observer, OpenDemocracy, International Policy Digest e Stony Brook Independent, para citar alguns.

Não só Ziabari continua ocupado, trabalhando para diferentes publicações, mas atualmente está cursando mestrado no Centro de Jornalismo da Universidade do Kent na Grã-Bretanha como parte das Bolsas Chevening.

Um seguidor de longa data da IJNet, Ziabari usa o site para encontrar oportunidades para viajar e reportar no exterior. Através das oportunidades encontradas na IJNet, Ziabari viajou para Calgary, Canadá, para a Cúpula Internacional de Energia Estudantil; Bonn, Alemanha para cobrir o Global Media Forum; o Departamento de Bolívar do norte da Colômbia para explorar o jornalismo cultural e passou 21 dias em uma viagem de reportagem com o East-West Center, nos Estados Unidos.

Ziabari falou com a IJNet sobre seu trabalho, desafios que encontrou e conselhos para jovens jornalistas:

IJNet: O seu trabalho geralmente foca em que tipo de história? O que mais gosta de cobrir?

Ziabari: É difícil dizer porque literalmente escrevi sobre tudo. Escrevo e escrevi sobre a cultura e artes do Irã, política interna e externa; relações Internacionais; assuntos do Oriente Médio; religião; direitos humanos, questões da juventude e efeitos da mídia. Realizei entrevistas com líderes mundiais, políticos, diplomatas, cientistas, prêmios do Prêmio Nobel e especialistas em políticas públicas.

Estou principalmente interessado em produzir reportagens originais e trabalhos de jornalismo dos principais fóruns mundiais.

A minha mais bem sucedida viagem de reportagem internacional foi a edição de 2016 do Fórum Mundial para a Democracia em Estrasburgo, França, realizado pelo Conselho da Europa. No entanto, também viajei e reportei de vários outros eventos internacionais, incluindo o Global Media Forum 2015 em Bonn, na Alemanha.

Quais foram as suas matérias favoritas?

Há muitas matérias que cubri que posso chamar de favoritas. As duas melhores são a matéria que publiquei no openDemocracy em novembro de 2016 depois de participar do Fórum Mundial para a Democracia em Estrasburgo e uma publicação no site Your Middle East desafiando a cultura dominante de tristeza e desânimo nas produções de TV iranianas em dezembro de 2015.

Você realizou muitas entrevistas. Alguma coisa se destacou para você?

Entre as entrevistas que fiz, gostei principalmente de uma com o ex-presidente polonês Aleksander Kwasniewski em maio de 2015 para a publicação online Fair Observer, com sede em São Francisco, sobre a invasão do Iraque nos EUA, uma expedição militar que ele descreveu como "negócio inacabado". Kwasniewski foi um crítico da guerra do Iraque, um nome respeitado na política polonesa e também um defensor da aliança entre a Polônia e os Estados Unidos.

No início dos anos 2000, comecei um trabalho para produzir uma série de entrevistas com os vencedores do Prêmio Nobel em física, química, medicina, economia e paz, que apareceram em diferentes publicações online e impressas, e coloquei algumas dessas entrevistas no meu site pessoal.

Que conselhos você tem para jovens jornalistas?

O jornalismo é muito árduo e não uma profissão altamente conceituada. Não é bem pago, não é muito fácil de fazer e isso consome você. Eu tenho 28 anos agora e, com todos os desafios e fracassos que passei até agora, sinto como se tivesse 45.

O jornalismo é realmente difícil, mas quem está pronto para se juntar à indústria e abraçar as dificuldades do trabalho também pode achar interessante, esclarecedor e aventureiro. Eu pessoalmente sobrevivi a catástrofes naturais cobrindo diferentes eventos ou viajando para uma reportagem. Estou falando de quase morrer... mas minha recomendação para futuros jornalistas ou aspirantes a jornalistas que estão se preparando para se juntar ao campo é que eles devem fazer sua escolha de trabalho de forma muito conservadora e sábia.

Imagem cortesia de Laura Garcia Rodriguez Blancas