Jornalista do mês da IJNet: Tecee Boley

porIJNet
Sep 4, 2012 em Jornalista do mês

A cada mês, a IJNet apresenta um jornalista internacional que exemplifica a profissão e usa o site para promover sua carreira. Se você gostaria de ser apresentado, envie um e-mail com uma curta biografia e um parágrafo sobre como usa os recursos da IJNet aqui.

A jornalista do mês, Tecee Boley, é uma repórter de rádio e imprensa na Libéria. Boley colabora para a revista online e jornal FrontPage Africa e para a Rádio das Nações Unidas. Ela cobre uma variedade de questões sociais e de saúde que afligem a região, incluindo água contaminada, abortos inseguros e prostituição de adolescentes.

IJNet: Como a IJNet lhe ajudou?

Eu encontrei um curso da Thomson Reuters sobre negócios e finanças em março, através da IJNet. O curso ajudou a abrir meus olhos para o mundo dos negócios internacionais. Aprendi como o mercado de ações funciona e como monitorar o sucesso de empresas de recursos operacionais no meu país. Também me ajudou a conhecer muitos jornalistas de países em todo o mundo e saber que todos nós estamos enfrentando os mesmos desafios de reportagem. Fiquei espantada ao ver a história e a riqueza em Londres. Me ajudou a entender o tanto de trabalho que precisamos fazer na Libéria para dar às pessoas uma vida melhor.

IJNet: Como você tem ideias de pauta?

Olhando em volta do meu ambiente e minha comunidade. Sempre conto histórias que outros jornalistas não estão interessados. ​​A maioria dos jornalistas está interessada em contar histórias que giram em torno de políticos, mas minhas histórias estão centradas nas pessoas comuns e como são afetados pelas políticas de seus líderes.

IJNet: Qual foi seu melhor trabalho até agora?

Uma matéria que fiz sobre o saneamento de água na maior favela de Monróvia, a West Point. Conta a história de uma mulher chamada Kulah Borbor. Borbor, junto com o marido e quatro filhos, fugiu do ​​combate violento no oeste da Libéria. Eles se mudaram para Monróvia, mas a água não-potável matou seu marido, Momoh.

IJNet: Que conselho você daria a quem aspira ser jornalista?

Meu conselho para aspirantes a jornalista é aproveitar todas as oportunidades. Citando minha mãe, Theresa Walo-Greene: "Aprenda tudo, pois o que você sabe fica com você para sempre."