Jornal local no Brasil cria roteiro para inovação digital

porElyssa Pachico
Mar 13, 2017 em Jornalismo digital

O Correio é o jornal mais lido no nordeste da Bahia, embora sua circulação -- cerca de 46.000 -- represente menos de um quarto daqueles que leem a Folha de S. Paulo ou o Estadão, os maiores jornais do país.

No entanto, ser um jornal local com recursos mais limitados não impediu o Correio de abraçar a inovação na redação. Depois que Roberto Gazzi, ex-diretor de desenvolvimento editorial do Estadão, se tornou diretor executivo do Correio no outono passado, ele disse que fez questão de levar uma mentalidade mais digital para o jornal, com uma publicação mais rápida para artigos na web e mais experimentação com ferramentas online.

Roberto explicou que essas mudanças estão por trás do número recorde de visitas ao site do Correio nas principais categorias métricas.

"Em geral, mudar é tão difícil", disse ele. "Com o Estadão, tivemos que fazer o mesmo processo, mas aqui acho que é menos difícil porque há muitos jovens na redação."

Um dos funcionários mais jovens é o diretor de inovação do Correio, Juan José Torres Gilardi (que participou de um programa do Centro Internacional de Jornalistas em 2016). A contratação de Roberto ajudou a acelerar o ritmo das mudanças no jornal, inclusive garantindo que a equipe de 90 funcionários do Correio não priorizasse apenas a edição impressa, disse Juan.

"Todo mundo estava focado no papel, incluindo a equipe de marketing", disse ele. "[Antes de Roberto] tínhamos uma equipe de nove ou 10 pessoas que estavam totalmente isoladas e trabalhavam exclusivamente para o site."

Outro impulso, acrescentou Juan, foi conseguir que Mariana Santos -- ela mesma ex-bolsista Knight do ICFJ -- trabalhasse como consultora no Correio em janeiro de 2017 e ajudasse a orientá-los pelas novas transformações.

Ex-bolsista Knight do ICFJ Mariana Santos tira um selfie com a equipe do Correio, incluindo Juan Torres (último à esquerda) e Roberto Gazzi (segundo à direita)

"Mariana nos forçou a debater coisas que estávamos mantendo em segundo plano", explicou Juan, acrescentando: "Ela levantou problemas que não sabíamos que tínhamos...Temos uma expressão; ela foi a pessoa que colocou os elefantes na sala."

Aqui está um panorama sobre algumas mudanças implementadas pelo Correio para trazer uma mentalidade que dá prioridade ao digital para uma organização de imprensa de médio porte. Se qualquer uma dessas parece com mudanças que você está atualmente implementando ou gostaria de implementar em sua redação de notícias, conte para nós escrevendo para IJNeteditor@icfj.org ou no IJNet Forum.

Equipes interdisciplinares

Como parte de seu trabalho no Correio, Mariana organizou oficinas e hackatonas para dar aos funcionários de diferentes departamentos a oportunidade de interagir e colaborar. Quatro projetos interdisciplinares -- combinando a equipe de tecnologia, repórteres e publicidade -- que nasceram das hackatonas ainda estão em andamento. Uma foi uma pesquisa online (com artigos complementares) pedindo aos leitores que votassem no hino não oficial do carnaval de 2017, em troca de uma chance de conhecer alguns artistas.

Uma cena do workshop sobre design thinking no Correio, cortesia de Mariana Santos

Além disso, Juan trabalhou para encorajar o trabalho em equipe multidisciplinar, organizando sessões de treinamento dirigidas pela equipe e enviando um boletim informativo semestral para todas as equipes, destacando as recentes tendências em inovação jornalística.

Outro passo importante da liderança do Correio foi criar uma posição dedicada exclusivamente ao gerenciamento de redes sociais, em vez de contratar outro repórter. Parte do papel do funcionário envolve se certificar de que os repórteres estão usando ferramentas como Instagram Stories ou Facebook Live para complementar suas matérias quando apropriado.

Uma relação mais inteligente entre editorial e marketing

Segundo Mariana, uma das primeiras questões que ela levantou quando começou a trabalhar com o Correio foi o número de anúncios do tipo "pop-up" no site. "Não havia cultura de notícias primeiro, publicidade em segundo lugar", disse ela.

Captura de tela do site do Correio quando o site se concentrava fortemente na venda de anúncios 'pop-ups', cortesia de Juan Torres

Mariana encorajou mais discussões entre as equipes publicitárias e editoriais do Correio para que coordenassem o que ela chama de "uma forma mais elegante" de publicidade, com foco no conteúdo patrocinado. Por exemplo, se a equipe editorial sabia que ia publicar uma série sobre saúde, coordenaria com a equipe de publicidade para que pudessem se concentrar em vender espaço publicitário para os clientes nesse campo.

"As pessoas estavam irritadas com o peso dos anúncios e sentiram pela primeira vez que podiam se expressar em voz alta", disse Mariana, acrescentando: "Não fui eu quem chegou e disse: 'Isso é o que vocês têm que fazer'. Eu servi como um meio para eles poderem ver seus próprios problemas e alcançar suas próprias soluções."

Continuando focado nos valores centrais do jornal

Quando a equipe do Correio decidiu repensar sua abordagem de análise de sites, eles começaram a usar o Chartbeat para rastrear as métricas que priorizavam como as mais importantes. Como explicou Juan, isso inclui categorias como leitores leais, pageviews leais e o tempo gasto na página.

"Toda a nossa estratégia foi direcionada a métricas leais, não apenas uma mentalidade de "clique", disse Juan. Durante um período de seis meses, até janeiro de 2017, o Correio registrou os maiores números nessas categorias.

A decisão de priorizar a atração de leitores mais leais, em vez de um número maior de visitantes, fez parte do compromisso do Correio de criar "valor" para o público, disse Juan.

Essa mentalidade ajudou a informar a ênfase do jornal na produção de matérias em profundidade, como uma reportagem especial sobre estupro que foi nomeada para um prêmio de mídia digital da América Latina da Associação Mundial de Jornais e Editores. Essa mesma reportagem também foi reconhecida pelo INMA Global Media Awards, juntamente com outra matéria, produzida em parte com o grupo de mídia que detém o Correio, que comemorou a moda inspirada no estilo afro-brasileiro.

Para o futuro, Juan e Roberto ambos dizem que esperam chegar a um ponto em que todos na equipe do Correio estejam constantemente pensando em como podem inovar para fazer seu trabalho melhor.

"A inovação deve ser como um gêiser", disse Juan. "Precisa estar fervendo o tempo todo e às vezes deve simplesmente explodir."

Fotos e vídeos cortesia de Mariana Santos