Grupos e comunidades online para jornalistas

porIJNet
Nov 1, 2016 em Jornalismo básico

Há uma grande quantidade de recursos online, alguns mais ativos do que outros. Nós compilamos uma lista de grupos que amamos por seus membros entusiásticos, participativos e solidários.

Isso está longe de ser uma lista completa. Você pode encontrar listas mais longas aqui e aqui, embora alguns grupos sejam mais animados do que outros.

Como sempre, as regras principais de cada grupo são o uso de bom senso. Seja um membro bom. Ajude os outros membros. E o que acontece no grupo de mídia social permanece no grupo de mídia social.

Facebook

Ah, Facebook. Para muitos jornalistas, a plataforma significa tanto trabalho como diversão e o centro das discussões sobre os dilemas enfrentados pelo jornalismo moderno. Os grupos, no entanto, são uma maneira do Facebook trabalhar em nosso favor.

Out of the Binders: Exclusivamente para mulheres e não-conformistas. Estabelecido com o único objetivo de abordar a subrepresentação das mulheres nos meios de comunicação, abrange uma variedade de trabalhos: publicação de livros, entretenimento, jornalismo, poesia, etc. É muito grande, mas dá muito apoio e tem uma conferência anual em Nova York.

Engaged Journalism: Um grupo dedicado a compartilhar ideias e fazer perguntas sobre qualquer coisa relacionada ao engajamento da comunidade e desenvolvimento do público. 

Freelance Journalists UK: O Reino Unido tem uma incrível variedade de publicações, e se você está interessado em trabalhar com editores e escritores do outro lado do oceano, este grupo pode ajudar.

O grupo se mantém fiel ao seu nome e é muito específico da região, o que contribui para a sua eficácia. Não é o lugar para conversar sobre o jornalismo global em geral, ou se você não está falando sério sobre trabalhar ativamente no mundo da mídia no Reino Unido. No entanto, se você está, não vai encontrar um conjunto mais inteligente ou mais engenhoso de colegas online. Nota: Existe um processo de validação para a entrada.

Minorities in Digital Media: Uma das comunidades mais novas, mas muito necessária! Publica bolsas de estudo, empregos e encorajamento geral aos jornalistas de grupos minoritários. Eles até tiveram seu primeiro encontro em pessoa recentemente (baseado em Nova York).

Para ingressar no grupo, você tem que ser um membro de um grupo subrepresentado na mídia. (Se você gosta deste grupo, veja Writers of Color no Twitter também.)

Create Your Nomadtopia: Importante notar que este não é um grupo de jornalistas, e você não deve se inscrever se está buscando conselhos sobre a prática do jornalismo em si. Em vez disso, oferece aconselhamento e apoio para uma vida independente da localização. Vários profissionais nômades se uniram para responder a todos os detalhes pequenos mas cruciais que surgem durante a vida na estrada. Este não é o grupo para avançar na carreira jornalística, mas é um recurso inestimável para planejar sua vida em torno de um trabalho que supõe que seu escritório é o mundo.

Slack

Para aqueles que não conhecem o Slack, é um poderoso aplicativo de mensagens que rapidamente se tornou um suporte em empresas de mídia em todo o mundo. Também permite comunidades livres. Tudo o que você precisa fazer é pedir um convite e, em seguida, fazer login com seu e-mail. Há uma série de Slacks de jornalismo, mas descobrimos que dois deles são particularmente ativos:

Digital Journalism Rocks: Esta é a comunidade Slack mais ativa (e talvez a comunidade mais ativa em geral) que vimos. Como o próprio nome sugere, gira em torno da prática do jornalismo digital, com canais como desenvolvimento de público, visualização de dados e reportagem móvel. Se você é apaixonado pelo jornalismo moderno (e Giphy), essas são sua gente. (Nota: Precisa ser convidado.)

Open Data Community: Não é estritamente um grupo de jornalismo. Em vez disso, é um ponto de encontro para quem trabalha com dados: pesquisa, análise, ferramentas, fontes, etc. Qualquer pessoa interessada em jornalismo de dados e quanto você pode fazer com eles pode se beneficiar muito desta comunidade.

Twitter

Apesar de tudo o que se diz sobre os problemas do Twitter, ainda é um ponto de encontro para os jornalistas. Aqui, você pode sugerir pautas, conversar, acompanhar e promover com mais facilidade e frequência do que qualquer outro meio social, sem ser chato.

Um aspecto pouco usado no Twitter ainda é a busca por hashtags.Se você tem curiosidade sobre jornalismo, #journalism, #journo, #journalists#journalist#journojobs, #jornalismo, #jornalista são buscas óbvias e populares. Mais ainda, chats são uma boa maneira de engajar com outros membros no Twitter e obter os cobiçados @ de figuras importantes da mídia.

#wjchat: Às 17:00 horas (horário de Los Angeles), wjchat (ou chat de jornalistas da web) aborda tudo relacionado a  “conteúdo, tecnologia, ética e negócio do jornalismo na web."

#MuckRackCafe cobre o buraco enquanto o popular #muckedup está parado. Oferece uma conversa de 30 minutos com um jornalista a cada mês.

Além disso, boas tags para ficar de olho são: #digitaljournalism, #digitalnews, #digitalmedia, #journchat, #mediadiversity, #ddj (jornalismo de dados).

Este post é um trecho de um artigo publicado originalmente no HackPack.press. HackPack oferece o TechCorners semanalmente, destacando oportunidades de emprego e bolsas. Assine o boletim aqui.

Imagem sob licença CC no Flickr via Global Editors Network