As formas mais inovadoras como as redações cobriram o 'Brexit'

porElyssa Pachico
Jun 29, 2016 em Jornalismo básico

O plebiscito sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) foi notícia de primeira página em todo o mundo e provocou muita análise sobre o que vem a seguir para a região. O referendo "Brexit" não é apenas um acontecimento para jornalistas políticos e empresariais: o assunto foi coberto de um ângulo de esportes, nas seções de cultura e de uma perspectiva de tecnologia, citando apenas alguns.

A grande amplitude da cobertura da mídia sobre o Brexit também apresentou as muitas abordagens que uma redação pode tomar quando cobre um desenvolvimento que tem impacto incrível, mas que poucas pessoas preveram. Embora notícias "chocantes" como o Brexit não aconteçam muitas vezes, analisar a cobertura da mídia sobre o referendo oferece várias lições fundamentais para jornalistas sobre como informar sobre eventos de impacto global.

Aqui estão alguns destaques da como redações britânicas e americanas cobriram o plebiscito.

Pensando visualmente

Na sua essência, o Brexit é uma história sobre quem votou, onde e por quê -- sem dúvida, o veículo perfeito para mapas, gráficos e outros recursos visuais. Um blog do Washington Post usou gráficos para ilustrar como a economia global reagiu em choque com o resultado do Brexit. Por sua vez, um gráfico popular do Financial Times focou na relação entre a forma como certas regiões votaram e o montante da ajuda que receberam da UE.

Tradução: Regiões com maior votação para a saída também são as mais dependentes economicamente da UE...

O site Vox fez um caminho diferente, colocando o plebiscito Brexit em contexto com desenhos, enquanto o Wall Street Journal criou um mapa, que se atualizava ao vivo.

Tradução: Por que a Grã-Bretanha saiu, explicado por um desenho simples...

Uma das visualizações mais inovadoras foi desenvolvida pelo Google News Lab, que criou o que descreveu como uma "visualização de dados de 360 graus", mostrando as principais perguntas relacionadas com o Brexit feitas nos motores de busca antes da votação. O Lab chamou a visualização de "experimento" sobre a rapidez dos desenvolvedores de criar algo, acrescentando que era melhor consumido através de um visualizador de realidade virtual.

No entanto, uma das tabelas mais compartilhadas no Twitter também foi uma das mais simples. Creditado a uma empresa de pesquisa de marketing, a YouGov, a popularidade do gráfico é um lembrete de que, contanto que um gráfico conte uma história de forma convincente e direta, nem todo visual precisa de recursos e adereços para se conectar com os leitores em uma escala de massa.

Tradução: Pesquisa absolutamente brilhante sobre o Brexit por...

Novas plataformas e tecnologias para notícias urgentes

Um programa de notícias da BBC recorreu fortemente ao Facebook ao vivo para a cobertura no dia depois do referendo, mostrando repórteres no campo e respondendo a perguntas de espectadores ao vivo. O Online Journalism Blog observou que o programa de notícias essencialmente criou "seu próprio canal de TV 24 horas" e demonstrou "como um programa de notícias pode contornar as limitações da transmissão. Não havia um estúdio sofisticado, luzes e maquiagem: apenas um jornalista e uma webcam."

Tradução: Mantenha-se atualizado sobre o dia #EURef de Facebook ao vivo aqui - e há muito mais a seguir!

O BuzzFeed também se baseou fortemente no Facebook Live para cobrir a votação, um outro exemplo de como as organizações de mídia têm sido rápidas em adaptar essa ferramenta.

Já a BBC criou um robô de notícias para publicar atualizações sobre os resultados da votação do referendo durante a noite toda. Este foi o robô mais proeminente usado para informar sobre atualizações de voto, embora tenha havido supostamente muitos outros produzidos antes da votação para fins de propaganda.

Tradução: Resultado final: Sair 51.9% - Permanecer 48,1%. Explore os resultados completos:..

Outras abordagens inovadoras para cobrir notícias de última hora foram vistas no uso de um aplicativo da Apple pelo Politico para enviar notificações instantâneas para os usuários e nas experiências do Guardian em enviar atualizações através do seu Mobile Innovation Lab.

Destacando os melhores comentários

Ambos jornais Guardian e Financial Times destacaram os melhores comentários de leitores em suas seções de comentários, com alguns comentários se tornando virais nas redes sociais.

A cobertura da mídia do Brexit também incluiu alguns exemplos notáveis de jornalismo cidadão, como um usuário do Facebook que compilou imagens de incidentes racistas na mídia social.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Rich Girard