Ferramentas da Universidade de Indiana detectam disseminação de informações virais

porKevin Fryling
Jul 1, 2018 em Fact-checking e verificação

Pesquisadores do Observatório de Mídias Sociais da Universidade de Indiana criaram atualizações para duas ferramentas que desempenham um papel importante no combate à disseminação da desinformação online. 

The image caption follows
A Hoaxy search traces the spread of a story on Twitter that claims the Syria Civil Defense, a volunteer search-and-rescue organization also known as the "White Helmets," are staging mass casualty events like chemical weapons attacks. The red and dark pink dots indicate likely bots used to amplify the message. Image courtesy of Hoaxy.

 

As melhorias no Hoaxy e Botometer  são apoiadas pelo Knight Prototype Fund on Misinformation, uma iniciativa conjunta da Fundação John S. e James L. Knight, Rita Allen Foundation e Democracy Fund para abordar o problema de disseminação de desinformação e construir confiança no jornalismo de qualidade. Uma terceira ferramenta (um jogo educativo que  visa tornar os consumidores de notícias mais bem informados) também foi lançada com atualizações.

"A maioria das mudanças no Hoaxy e no Botometer são especificamente projetadas para tornar as ferramentas mais utilizáveis ​​por jornalistas e cidadãos comuns", disse Filippo Menczer, professor da Escola de Informática, Informática e Engenharia da Universidade de Indiana e membro do IU Network Science Institute. "Agora você pode detectar facilmente quando a informação está se espalhando viralmente e quem é responsável por sua propagação."

O Hoaxy é um mecanismo de pesquisa que mostra aos usuários como as histórias de fontes de baixa credibilidade se espalham no Twitter. O Botometer é um aplicativo que atribui uma pontuação aos usuários do Twitter com base na probabilidade de a conta ser automatizada.

As novas funções do Hoaxy mostram aos usuários quais são as tendências do Twitter, incluindo de fontes de baixa credibilidade. Também indica que proporção dos usuários divulgando as histórias provavelmente são "bots". Esses novos recursos foram anunciados no dia 12 de abril no Simpósio Internacional de Jornalismo Online, em Austin, Texas, por  Giovanni Luca Ciampaglia, pesquisador do IU Network Science Institute, que faz parte da equipe que desenvolveu as ferramentas.

A nova versão do Botometer emprega algoritmos de aprendizado de máquina atualizados para identificar "bots" com maior precisão e é fortemente integrado ao Hoaxy. Os usuários podem observar não apenas como a informação se espalha pelo Twitter, mas também se essas mensagens são compartilhadas por pessoas reais ou por um programa de computador potencialmente projetado para influenciar a opinião pública.

Contas automáticas são comumente usadas para dar a falsa impressão de que um grande número de pessoas está falando sobre um tópico específico online, disse Menczer. Campanhas políticas, celebridades e anunciantes são conhecidos por usar bots para impulsionar agendas ou produtos específicos.

O Hoaxy atualizado também tem uma seção de "trending stories" que exibe notícias populares junto com mensagens de fontes de baixa credibilidade. Isso é possível porque o Hoaxy agora pode rastrear a disseminação de qualquer notícia online ou hashtag ao longo do tempo no Twitter. Anteriormente, os usuários só podiam analisar títulos de sites específicos identificados por grupos não partidários como propensos a postar informações falsas ou enganosas.

Ciampaglia disse que o Hoaxy e o Botometer atualmente processam centenas de milhares de consultas online diárias. A tecnologia permitiu que pesquisadores, incluindo uma equipe do IU, estudassem como a informação flui online na presença de bots. Exemplos são um estudo sobre a capa da edição de março da revista Science, que analisou a disseminação de notícias falsas no Twitter, e uma análise do Pew Research Center, em abril, que descobriu que quase dois terços dos links para sites populares no Twitter são compartilhados por contas automatizadas.

O projeto recém-lançado é o Fakey um jogo de literacia de notícias para a web e dispositivos móveis que mistura notícias com relatos falsos, clickbait, teorias da conspiração e "ciência-lixo". Os jogadores ganham pontos ao verificar informações falsas e curtir ou compartilhar matérias precisas. O projeto, liderado pelo estudante de pós-graduação Mihai Avram, do IU, foi criado para ajudar o público a desenvolver hábitos responsáveis ​​de consumo de mídias sociais. Um aplicativo para Android está disponível e as versões para iOS serão lançadas em breve.

Todas as três ferramentas são unidas pela missão de seus criadores em ajudar as pessoas a entender o papel da desinformação online, disse Menczer.

"Ao fazer parceria com outros grupos", acrescentou ele, "podemos ampliar significativamente o poder do nosso trabalho na luta contra a desinformação online."

Este artigo foi originalmente pela Indiana University e é reproduzido pela IJNet com permissão. 

Imagem sob licença CC no Unsplash via Anas Alshanti