Faltam jornalistas latino-americanos no Twitter

porAndrés Cavelier
Dec 20, 2009 em Jornalismo digital

Até o momento a maioria dos jornalistas latino-americanos tem se mostrado relutante em utilizar o Twitter como ferramenta de trabalho.

Erro, erro grave! Considero que não adotar este tipo de ferramentas nos afasta cada vez mais das novas tecnologias.

Mas há uma grande exceção que vale a pena destacar: o México.
No último ano, dúzias de influentes jornalistas mexicanos acolheram o Twitter como uma de suas principais ferramentas para dar notícias de última hora, difundir seu trabalho e conversar com seus seguidores. O Twitter é a mídia da moda nesse país.

Para ilustrar, um exemplo. No último dia 1º  de dezembro assassinaram Edgar Bayardo del Villar, testemunha protegida da PGR mexicana. A importante notícia foi dada não pela mídia tradicional mas sim por um veterano jornalista independente através de sua conta do Twitter: Raymundo Rivapalacio (@rivapa), um tuiteiro dedicado que já tem mais de 3.000 seguidores desde que abriu sua conta em novembro de 2008.

Esse dia, Rivapalacio bateu todos os meios de comunicação quando publicou esta mensagem: “Acabam de confirmar que em um tiroteio no startucks na colonia del valle, morreu testemunha protegida e privilegiada, édgar bayardo”. Durante os minutos e horas posteriores, enquanto a imprensa corria para não se atrasar, Rivapalacio se dedicou a ampliar a notícia e dar contexto.

Nesta entrevista de rádio, Rivapalacio explica que para ser bom tuiteiro “deve-se utilizar uma técnica de agência” de notícias: primeiro dar a notícia e depois “rapidamente o contexto”.

Outros jornalistas de nome que se somaram à onda do Twitter, cada qual a seu estilo, são Pascal Beltrán del Río (@beltrandelriomx), diretor editorial da Excélsior; León Krauze (@leonwradio), diretor da W Radio; Javier Solórzano (@JavierSolorzano), colunista da El Universal; Carlos Loret @CarlosLoret), diretor da Televisa; Ricardo Zamora (@RicardoZamora), jornalista de música e tecnologia; e Mario Camos (@MarioCampos), diretor da Antena Radio.

De todos, o que mais tem seguidores é a jornalista da Televisa Adela Micha (@Adela_Micha), que conseguiu atrair 19.433 seguidores, graças a suas constantes atualizações e popularidade na televisão mexicana.

Agora alguns meios tradicionais estão levando a sério o Twitter. O jornal El Universal (@El_Universal_Mx), um dos principais do país, já tem 87.000 seguidores, o maior número de seguidores de um jornal latino-americano no Twitter, segundo meus cálculos. Nada mal, tendo em conta que a circulação do El Universal está em torno de 120.000.

Acho que o caso mexicano serve de exemplo para países da região onde os jornalistas tradicionais continuam dependendo da rádio e outros meios menos rápidos para se atualizarem e divulgarem o que acontece em seus países.

Neste link compilei uma lista dos principais jornalistas mexicanos no Twitter, cujas contas podem ser seguidas.


Andrés Cavelier é consultor e presidente da FastrackMedia, uma firma de Washington, D.C., especializada em estratégias de conteúdos digitais e redes sociais. Andrés é especialista em planejar, produzir e potencializar conteúdos através de redes sociais na Web e dispositivos móveis. Como jornalista foi editor multimídia do El Nuevo Herald de Miami, bolsista Nieman da Universidade Harvard e correspondente nos Estados Unidos para El Tiempo e RCN Televisión, dois veículos de comunicação da Colômbia, seu país natal. Acompanhe oAndrés e a FastrackMedia no Twitter.