Faculdades de jornalismo redefinem seus programas para se adaptar à transformação da indústria

porvgimenez
Mar 30, 2012 em Jornalismo básico

A transformação nos meios de comunicação cria desafios para todas as partes interessadas, incluindo as universidades, que devem se esforçar em treinar os futuros profissionais para que se adaptem às novas necessidades.

As principais escolas de jornalismo nos Estados Unidos, Europa e, em menor medida, na América Latina começaram a transformar seus currículos para que os graduados possam sobreviver em um ambiente em mudança, em uma indústria que constantemente corta empregos, em um contexto cada vez mais exigente de novos conhecimentos.

A inclusão de cursos sobre empreendedorismo e a adoção do modelo de "hospitais de ensino" --como utilizado por escolas de medicina-- são as primeiras respostas das universidades, de acordo com uma pesquisa realizada pela doutoranda da Universidad de Navarra, María José Vázquez.

Seu trabalho, apresentado no XIII Congreso de Periodismo Digital, foi incluído em um livro digital sobre o evento.

Vázquez identificou duas tendências nas principais universidades de jornalismo:

Empreendedorismo: Conscientes de que nos últimos anos as empresas de jornais reconfiguraram suas estruturas e modelos de negócios, e com o surgimento crescente de projetos de mídia independente, sem fins lucrativos, fundados por empresários, as universidades começaram a oferecer cursos de empreendedorismo para jornalistas.

"O currículo tradicional foi concebido para treinar profissionais para preencher postos de trabalho que respondem ao paradigma da redação, ou seja, a estrutura e a lógica de um sistema de mídia que está em declínio", disse Vazquez. Ela acrescentou que eles começaram a ver a necessidade de "uma perspectiva mais ampla" para "treinar os alunos a criar suas próprias fontes de emprego."

Os cursos muitas vezes são semelhantes aos oferecidos nas faculdades de administração de negócios.

Hospitais de ensino: A outra tendência é "a adoção do sistema de ensino das escolas médicas e hospitais universitários." Isso é porque não só aulas são oferecidas, mas também os estudantes são integrados no atendimento ao paciente e projetos de pesquisa.

Da mesma forma, cada vez mais universidades estão começando a incorporar os estudantes de jornalismo em projetos jornalísticos para suas comunidades e empreendimentos de pesquisa e inovação em jornalismo.

"O modelo de hospital pretende criar uma cultura universitária de inovação e empreendedorismo, e, ao mesmo tempo, aproveitar os recursos das instituições de ensino (...) não só para educar os profissionais sobre as necessidades da indústria, mas para participar no processo de criação inovadora e contribuir com suas comunidades", disse Vazquez.

Vazquez listou exemplos das novas tendências, incluindo o Reporting Texas, da Universidade do Texas em Austin; e o projeto fruto de um acordo entre o New York Times e o programa de pós-graduação Studio 20 da New York University, onde professores e alunos desenvolveram sites de informação hiper local.

Para ler a pesquisa (em espanhol), clique aqui.

Foto: Via Flickr da Universidad de Navarra, usada com licença Creative Commons