Ensinando mídia na era digital

por James Breiner
Aug 8, 2014 em Diversos

Nós, professores de comunicação da Tec de Monterrey, tivemos uma visita na semana passada, Thom Gencarelli da Manhattan College, que nos fez pensar sobre o que estamos ensinando e como estamos indo.

Entre as questões que ele nos deixou:

  • Em 1985, Neil Postman escreveu que a mídia dominante de uma cultura molda de fato a cultura, é a cultura ("Amusing Ourselves to Death"). Na sua época, Postman viu a televisão como algo desde degradante de todos os aspectos da cultura - religião, literatura, educação, política – a uma forma de entretenimento visual. Assim, como a mídia digital define e molda nossa cultura hoje? Ele perguntou. Está degradando ou melhorando?

  • O imediatismo, a urgência e a natureza visual da mídia digital nos torna menos capazes de apreciar a cultura da palavra escrita?

  • Os meios digitais estão mudando a natureza do discurso público sobre educação, política, religião?

  • Como é que vamos tornar os alunos conscientes de como os meios de comunicação digitais e as grandes empresas por trás deles (Comcast, Google, Disney, DirectTV, Viacom/CBS, Sony, Facebook, Twitter, Amazon, Yahoo) estão moldando a maneira como eles pensam e agem (sua cultura)?

  • O que devemos ensinar sobre os meios de comunicação?

Gencarelli descreveu as quatro revoluções na história da comunicação humana e nos perguntou se nós estamos no meio da quinta:

  • A primeira revolução foi a invenção da linguagem falada, talvez há 40.000 anos. Permitiu-nos a inventar, compartilhar invenções, fazer comércio, aprender. As histórias tornaram-se uma maneira de descrever quem éramos, como funcionava o mundo, o que valorizamos, o que fizemos (ritual, arte, religião, poesia).

  • A segunda foi a linguagem escrita, há cerca de 5.000 anos, impulsionada em parte pela invenção da agricultura por volta de 5.000 anos antes. Com a linguagem escrita, agora dependíamos menos da memória. Isto levou à codificação do direito civil e da religião, a história dos povos, os novos tipos de literatura (prosa), filosofia, ciências e matemática.

  • A terceira foi a imprensa, que Gutenberg desenvolveu em um modelo industrial em cerca de 1450. A invenção promoveu a alfabetização, o ensino democratizado, e levou a revoluções violentas contra a Igreja de Roma e do sistema monárquico de governo.

  • A quarta revolução foi a comunicação eletrônica, começando com o telégrafo no início do século 19, seguido de rádio e televisão no início e em meados do século 20, respectivamente. Estas invenções efetivamente destruíram as barreiras de tempo e espaço, de modo que quase qualquer pessoa em qualquer lugar do planeta pode saber as últimas notícias que acontecem. A televisão deu um passo além e tornou a informação visual. Assim, como Postman observou, vieram os evangelistas de televisão, apresentadores de notícias e políticos que tinham de ser visualmente atraentes.

Se estamos em uma quinta revolução, como esta é diferente?

Um professor de sociologia sugeriu que, no mundo digital, podemos criar muitas identidades, incluindo identidades falsas, e que isso pode ser revolucionário.

Outros sugeriram que a mídia social reduziu a importância das figuras de autoridade na cultura; obtemos nossas notícias e informação com base em recomendações do Facebook, Vine, YouTube, Pinterest e Twitter. Isso pode ser uma derrubada revolucionária das figuras de autoridade comparável à Revolução Francesa.

Outro sugeriu que a quinta revolução é que a comunicação digital é constante, 24 horas por dia, e que é interativa. Nossos amigos das redes sociais, nossos contatos de WhatsApp e nossa família podem entrar em contato conosco em nossos dispositivos sempre presentes em qualquer momento.

Grande parte das duas dezenas de professores que participaram do seminário com Gencarelli lamentaram o fato de que os alunos agora esperam que eles sejam animadores. Os alunos foram treinados pela televisão e outros meios de comunicação a esperar que informações e o conhecimentos sejam transmitidos como entretenimento. A palavra escrita, eles sugeriram, foi derrubada.

Para mim, o que é revolucionário é que máquinas impulsionadas por algoritmos baseadas em nosso comportamento nas mídias digitais começaram a ler nossas mentes, com mais e mais precisão para que a informação chegue até nós de forma personalizada e contextualizada.

O que fazer

Um professor de marketing e comunicação, disse que seus alunos se tornaram tão imersos no mundo virtual que eles o confundem com a realidade. Por exemplo, acreditam que dar uma "curtida" para um movimento social no Facebook constitui ativismo social. Ele tem que dizer que ativismo significa ação, como marchar num protesto ou uma campanha porta-a-porta por uma causa ou candidato.

Outros sugeriram que precisamos ensinar o aluno como ler, pois é um ato antinatural de intensa concentração que não se presta para a multitarefa com a própria rede social.

Finalmente, Gencarelli sugeriu estudar a natureza dos próprios meios digitais - e não apenas o seu conteúdo, ou a indústria, mas como essas mídias moldam as mensagens que enviamos e recebemos.

Ele e dois professores da Tec, Alejandro Ocampo e Fernando Gutierrez, são membros da Media Ecology Association, que estuda o que Postman chamou de "a questão de como a mídia de comunicação afeta a percepção humana, compreensão, sentimento e valor, e como nossa interação com a mídia facilita ou dificulta as nossas chances de sobrevivência."

Eles também contam entre os seus guias filosóficos Marshall McLuhan, cujo trabalho de 1964, Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem, lançou a ideia "o meio é a mensagem". Em outras palavras, o meio é mais importante no sentido de transporte do que o conteúdo da mensagem propriamente dita.

Mais do mesmo

A fala mudou os seres humanos e sua cultura. Assim foi com a palavra escrita, a palavra impressa e a mídia eletrônica. Os meios digitais estão fazendo isso de novo. Eu passo meus dias tentando me atualizar com as mudanças digitais, mantendo um pé no passado.

Parte de mim tem nostalgia pelo valor da leitura. Foram o livro e a leitura que moldaram a minha carreira, que começou em estudos literários e, em seguida, tomou um rumo para o jornalismo.

Mas a mídia vem e vai. Versões da “Ilíada e Odisséia” de Homero, criadas cerca de 2.700 anos atrás, foram escritas de uma tradição fortemente oral, com todas as características de um poema que era cantado aos seus ouvintes.

“Eneida” de Virgílio, o épico romano composto cerca de 700 anos depois de Homero foi construído sobre os épicos gregos, mas dentro de uma tradição escrita de composição.

Como incentivar a leitura

Quase ninguém lê qualquer dessas obras mais, exceto acadêmicos e alguns dos seus alunos. Talvez tenha sido sempre assim; apenas um punhado de literatos tinham o tempo ou talento para explorar esses tipos de obras de arte e como definiram uma língua, uma cultura, uma religião, uma filosofia.

Agora nosso trabalho como professores é mostrar aos nossos alunos como a mídia digital está definindo-os e sua cultura, da mesma forma que outras formas de comunicação revolucionaram o pensamento e comportamento humano. Para isso, temos de olhar para o passado, isto é, fazer com que nossos alunos leiam.

Como fazer com que leiam? Intimidação intelectual, dizem alguns. Diga que é bom para eles. Envergonhe-os [se não o fazem]. Apele ao orgulho e independência, mostrando como não ser manipulado por meios digitais. Argumente que ler e escrever bem são fundamentais para o sucesso em qualquer campo da comunicação.

Faça um jogo com isso. Lembre-se que você está competindo pela atenção deles, em alguns casos, adolescentes acostumados a serem entretidos. Como último recurso, se não pode vencê-los, junte-se a eles. Talvez nós precisamos respirar profundamente, entrar na sala de aula, acionar os equipamentos visuais, entrar no Facebook e começar a entreter.

Este artigo contém trechos de um post do blog News Entrepreneurs e é publicado na IJNet com permissão do autor.

James Breiner é consultora de jornalismo e liderança online. Ele foi codiretor do Programa de Jornalismo de Negócios Global na Universidade de Tsinghua e bolsista do Knight International Journalism Fellowship do ICFJ que lançou e dirigiu o Centro de Jornalismo Digital na Universidade de Guadalajara. Ele fala espanhol e inglês. Você pode segui-lo no Twitter aqui.

Imagem sob licença CC no Flickr via astrobuddha