Em meio a crise, jornalistas nicaraguenses usam inovação digital para compartilhar informações

porAna Siu
Aug 7, 2018 em Jornalismo digital

Desde meados de abril, a Nicarágua está imersa em uma crise política e humanitária. Mais de 250 pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas, segundo um relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

No entanto, o presidente Daniel Ortega continua reiterando sua recusa em realizar eleições antecipadas. Antes chamado o país mais seguro da América Central, a Nicarágua tornou-se um lugar onde cidadãos e manifestantes arriscam suas vidas.

Jornalistas também sofreram durante a repressão. A polícia e gangues paramilitares agrediram repórteres, roubaram seus equipamentos, incendiaram estações de rádio e censuraram redes que não estão alinhadas com o partido sandinista.

Inovação digital como resposta à crise

A internet mudou as regras sobre como nos comunicamos. Mesmo em situações repletas de desinformação, os usuários têm a oportunidade de encontrar a verdade. Por esta razão, as redes sociais têm sido cruciais para coletar provas e organizar o movimento social #SOSNicaragua.

Jornalistas, desenvolvedores e outros profissionais da Nicarágua têm usado inovação digital para criar plataformas para reunir todas as informações que surgiram durante a crise.

Protests in Nicaragua

É o caso do "Protests in Nicaragua", um site que reúne notícias internacionais e verificadas sobre a crise da Nicarágua em diferentes idiomas.

“As redes sociais são uma plataforma eficaz para distribuir conteúdo, mas podem ser confusas e carentes de contexto”, disse o cofundador Carlos Roberto Fonseca. "Decidimos coletar conteúdo real produzido pelos veículos de comunicação internacionais."

Eles escolheram o WordPress para hospedar seu site por causa de sua simplicidade e facilidade de colaboração. “Esses tipos de plataformas permitem que [as pessoas] compartilhem facilmente as informações de maneira rápida e barata, usando as redes sociais como uma ponte”, disse a cofundadora Mayra Amador.

Nott a Blogger

“A nova onda de projetos de inovação [na Nicarágua] aumentou porque as pessoas foram fisicamente reprimidas. Isso nos forçou a encontrar formas inovadoras de causar impacto sem nos expor [à violência]”, disse Isabella Sevilla, criadora do site "Nott a Blogger". "Como resultado, praticamos nossa liberdade de expressão virtualmente."

Seu projeto compila fotografias e slogans dos protestos na Nicarágua. Todo o material compilado vem de criadores de conteúdo nas redes sociais. Ao rastrear #SOSNicaragua no Twitter, ela conseguiu entrar em contato com fotógrafos e ativistas online. Seu projeto também compila estatísticas de ONGs e meios de comunicação verificados para manter o público atualizado sobre o número de pessoas feridas, desaparecidas e mortas.

Sevilla disse que escolheu uma plataforma digital “para ter informações que durem e sejam acessíveis à maioria das pessoas dentro e fora do país”.

SOS Nicaragua Report

A quantidade de notícias de última hora a cada dia tornou difícil acompanhar os eventos, e é por isso que um grupo de nicaraguenses anônimos iniciou o "SOS Nicaragua Report". O site inclui um cronograma multimídia com os principais eventos que ocorreram desde o início dos protestos; arte inspirada no protesto; um espaço para deixar depoimentos; uma seção para memes e mais.

“A criação dessas plataformas é uma forma de protesto”, disse um dos criadores do SOS Nicaragua. "Lembre-se que a mídia da Nicarágua é praticamente de propriedade do governo, então é uma maneira de contar o seu lado da história e lutar contra notícias falsas publicadas pela mídia oficial."

Construindo uma Nicarágua mais inovadora

"A tecnologia e a internet têm sido muito valiosas durante esses tempos difíceis", disse Sevilla. “Nos deram poder e autoridade para denunciar as injustiças a organizações como a Organização dos Estados Americanos. É empoderador."

De fato, os usuários alertaram a CIDH sobre os ataques. A equipe de investigação da CIDH na Nicarágua tomou medidas imediatas para interceder com base nesses relatórios. A mídia social tem sido uma maneira eficaz de pedir transporte, comida e remédios para as vítimas.

"Sessenta e um por cento da população tem menos de 31 anos", disse um dos membros da equipe do SOS Nicaragua Report. “Durante essa crise, percebemos que a tecnologia --especialmente a internet-- poderia nos ajudar a causar um impacto maior, complementando as atividades realizadas em espaços públicos.”

A Nicarágua ainda precisa aprender muito sobre o uso de tecnologia e plataformas digitais. No entanto, seu povo provou que a crise pode ser combatida com novas formas de colaboração e compartilhamento de informações.

Imagem sob licença CC no Wikimedia Commons via Voice of America