Drama de TV usa futebol para promover mudança social

porTracy Jarrett
Jul 4, 2010 em Temas especializados

Enquanto milhões de pessoas em todo o mundo assistem seus times de futebol favoritos competirem na Copa do Mundo 2010 na África do Sul, um outro "time" está abordando questões sociais no país africano do Quênia.

No drama de televisão queniana "O Time", lançado em 2009 no Citizen TV, jogadores de futebol de todo o país com diferentes origens culturais têm que trabalhar juntos, apesar de suas diferenças.

O time e os seus desafios representam um microcosmo da sociedade queniana. Em um episódio, o técnico nomeia capitão de equipe um jogador que ele considera equivocadamente ser membro de sua tribo. Quando o técnico fica sabendo a verdade, ele deve aprender a deixar de lado seus preconceitos.

O criador John Marks espera que seu programa pode ser um exemplo de mídia que promove a resolução de problemas. Marks, fundador d
a organização Search for Common Ground em Washington, DC , criou o show após as eleições presidenciais do Quênia em 2007, que resultaram em violência étnica entre as tribos do país. O programa é escrito e produzido por quenianos nativos, em cooperação com o Search for Common Ground.

Em sua primeira temporada, cerca de dois milhões de quenianos assistiram ao show e quase dois milhões a mais sintonizavam via rádio, disse Marks durante uma discussão sobre "O Time" no dia 15 de junho em Washington. Além disso, segundo ele, as estatísticas sugerem que a violência diminuiu nas favelas do Quênia, onde o show foi ao ar.

"O TIme" criou um nicho de mercado para a utilização de novelas como ferramentas para a mudança social produtiva, disse Marks. A produção de espectáculos semelhantes começou em uma dúzia de outros países da África, bem como no Oriente Médio. Os temas do programa mudam para abordar as questões que são importantes para os telespectadores.

"Em cada país é diferente", disse Marks. "Cada país tem suas próprias tradições narrativas e formas de comunicar, e é isso que estamos tentando fazer".  Em Marrocos, os jogadores tratam sobre o conflito crescente entre ricos e pobres. No Congo, companheiros abordam as questões de gênero.

Na discussão de 15 de Junho , alguns criticaram os episódios por serem simplistas demais. Este tipo de crítica Marks recebe desde o início do programa.

Em um artigo na ESPN de janeiro, "
Soccer plays a critical role in Africa ("O futebol desempenha um papel crítico na África"), Marks disse: "A mensagem é simples. Se eles não jogam juntos, eles não marcam gols. Nosso programa utiliza o futebol para dar uma mensagem simples para a nação: 'Os cidadãos devem trabalhar em conjunto e colocar de lado as diferenças velhas para que o país possa progredir'".

No mesmo artigo, o ex-treinador da equipe nacional do Quênia, Jacob "Ghost" Mulee, explicou que "o milagre do jogo reside na sua simplicidade --é barato, fácil de jogar e as regras são simples de seguir. Quando uma bola é chutada, as diferenças étnicas e políticas e o ódio desaparecem ".

Marks sabe que mudança social não pode ser alcançada através de telenovelas somente. Mas enquanto times de futebol de todo o mundo continuam a lutar pelo título de campeão da Copa do Mundo, "O Time" vai continuar a lutar pela mudança social no Quênia. Se "O Time" for bem-sucedido, os quenianos serão os verdadeiros campeões.

Para mais informação, clique aqui (em inglês).