Conferência da Global Editors Network foca em dados, vídeo e tecnologia móvel

porAngela Washeck
May 14, 2014 em Jornalismo multimídia

Não há falta de conferências internacionais de jornalismo hoje em dia, e há uma razão.

Com editores tradicionais tendo dificuldade em tornar seus esforços digitais rentáveis, nichos de operações digitalmente nativas procurando capitalizar sobre a cultura de "compartilhamento social" e preocupações sobre métricas de engajamento e estratégias de publicidade se infiltrando na dinâmica da mídia, reuniões como a recente conferência ISOJ (International Symposium on Online Journalism e GEN (Global Editors Network) Summit são exercícios vitais para profissionais da mídia se unirem e compartilharem ideias e soluções de todo o mundo.

A Global Editors Network é liderada por 24 profissionais de mídia mundiais, incluindo Jim Roberts do Mashable e Wolfgang Blau do Guardian. O grupo promove inovação e engajamento entre seus objetivos principais.

Centenas de editores, hackers, redatores e executivos de mídia vão viajar para Barcelona, Espanha, de 11 a 13 de junho de 2014, para ouvir líderes da indústria, trocar ideias, resolver problemas e receber prêmios pelo seu trabalho (veja quem participou da conferência de 2013 aqui). Mas o evento deste ano “Mobile. Video. Data. Challenge the Status Quo” (Móvel. Vídeo. Dados. Desafie o Status Quo), destina-se a abrir novos caminhos em relação a tecnologias mais recentes da indústria de mídia. Sessões e palestras vão girar em torno da ideia de que a tecnologia móvel, vídeo e dados devem ser prioridade na redação moderna, e os prêmios internacionais de jornalismo de dados da GEN vão homenagear um setor emergente de líderes tecnológicos.

Herman, Haik e Carvin lideram as palestras

Entre as sessões principais estão: bootcamp de jornalismo robô, métrica de mídia e impacto social, "Como remodelar sua redação em torno de reportagens ao vivo e compartilhamento de vídeo", e examinações extensivas sobre os custos, benefícios e riscos envolvidos com a produção de conteúdo automatizado. Entre os palestrantes de destaque e​​stão Burt Herman, co-fundador do Storify; Cory Haik, produtor executivo de inovações de notícias e projetos estratégicos no Washington Post; e o editor de engajamento da First Look Media, Andy Carvin. Carvin fará uma apresentação especial.

Dando uma olhada no programa de três dias da conferência, destacamos algumas sessões. A sessão "Como remodelar sua redação em torno de reportagens ao vivo e compartilhamento de vídeo" irá abordar live-blogging, streaming e comentários ao vivo. A palestra de David Levy do Reuters Institute for the Study of Journalism vai explicar o estado do consumo de notícias em 10 países segundo o Reuters Institute Digital News Report.

O fundador do Spot.us e co-fundador do Circa, David Cohn, pretende falar sobre as tendências digitais, que certamente irão incluir alguma discussão sobre tecnologias de vestir (wearables) e análise de dados. Em outra conversa, representantes da Alemanha e da Itália vão ensinar o público como se tornar um "clássico contador de histórias, um gerente de mídia social e uma algoritmista". Jim Roberts e outros editores vão decidir se as áreas editorial e de negócios de organizações de mídia ainda devem estar separadas. E Dan Gillmor, diretor do night Center for Digital Media Entrepreneurship da faculdade de jornalismo da Universidade Estadual do Arizona, juntamente com o editor do Frankfurter Allgemeine Zeitung, Frank Schirrmacher, vão conversar sobre a liberdade de imprensa na paisagem digital.

Prêmios de jornalismo de dados e final do HackDay

Agora, de volta para os Prêmios de Jornalismo de Dados, apoiados pela Fundação Knight e o Google. A cúpula está anunciando apenas oito vencedores, e eles receberam 525 candidaturas; estes vão ser aqueles para ficar de olho. No ano passado, o Guardian EUA ganhou um prêmio em dinheiro para a sua matéria narrativa baseada em dados sobre os direitos dos homossexuais por estado. A Reuters levou para casa uma vitória por uma matéria chamada “Connected China" (China Conectada), que "explica a rede social e profissional dos líderes da China", e levou 18 meses para ser pesquisada, projetada e criada. Outros projetos vencedores vieram da BBC, o jornal La Nación da Argentina e operações de redações menores.

O Laboratório de Editores Hackdays final contará com competidores de todo o mundo que se destacaram em algumas dos 18 "hackdays" que o GEN realizou no ano passado. O Editors Lab Hackdays organiza equipes de três: um editor, um designer e um desenvolvedor de organizações de notícias internacionais respeitadas. Eles dispõem de locais para conceitualizar e "construir uma ferramenta editorial inovadora e de conteúdo atraente para desenvolver suas estratégias digitais de redação", segundo Alexis Daninos, gerente de desenvolvimento de negócios da GEN. A ferramenta pode ser um aplicativo ou um serviço de notícias digital.

Daninos disse para não descontar também os aspectos sociais da conferência deste ano. Os participantes são encorajados a explorar a cidade enquanto estiverem lá.

“Barcelona é ótima no verão. O local [da conferência] é impressionante: O CCCB é o centro cultural contemporâneo de Barcelona", ele disse.

Este artigo apareceu originalmente no PBS MediaShift e é publicado na IJNet com permissão.

Angela Washeck, assistente editorial do PBS MediaShift, é uma jornalista freelance e editora com base em Dallas, Texas.

O MediaShift foca em como o cenário da mídia está mudando a maneira como obtemos nossas notícias e informações. Os correspondentes do MediaShift explicam como a mídia tradicional como jornais, revistas, rádio, TV, música e filmes estão lidando com rompimento digital e adaptando seus modelos de negócios para um mundo em rede mais móvel. Saiba mais em MediaShift na Web, visite o MediaShift na Web, no Twitter ou Facebook.

Imagem sob licença CC no Flickr via Jamie Henderson