Como um projeto de jornalismo de dados ajuda a rastrear a corrupção na Colômbia

por Lindsay Kalter
Aug 1, 2012 em Jornalismo investigativo

Um novo guia visual revela áreas de corrupção na Colômbia, um país que sofre com o mau uso de fundos, subornos e fraudes.

O "Monitor de Corrupción" vai dar a jornalistas e cidadãos a oportunidade de mapear digitalmente os relatos de má conduta política. Cerca de 60 relatos de jornalistas foram mapeados desdo lançamento do projeto em 24 de julho. Não há ainda relatos incorporados de cidadãos, mas a equipe administrativa do mapa e os jornalistas vão confirmá-los quando forem enviados.

"O que torna o nosso mapa único na Colômbia é o nosso sistema de comunicação de duas vias que permite que ambos os jornalistas e cidadãos apresentem relatos sobre a corrupção em suas comunidades, municípios e numa escala mais ampla, regional e nacional", disse Ronnie Lovler, bolsista do Knight International Fellowship do Centro Internacional para Jornalistas que criou o sistema de mapeamento com o grupo de jornalismo investigativo Consejo de Redacción.

Lovler contou que foi um desafio dar nome ao mapa, porque precisava descrever o projeto com precisão em espanhol e inglês. "Monitor de Corrupción" é fácil de traduzir e funciona bem com o SEO (otimização para motores de busca), disse ela.

Em janeiro, a bolsista falou com a equipe administrativa do Consejo sobre a ideia do projeto, que foi apresentado aos membros pelo comitê executivo durante a assembleia anual em março. Com o desenvolvimento do projeto iniciado, 11 categorias de corrupção foram estabelecidas e o sistema foi criado com a plataforma de mapeamento Ushahidi.

O projeto é apoiado pelos escritórios da Organização das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários na Colômbia e a Universidade Javeriana.

Lovler também vai conduzir oficinas para jornalistas cidadãos, sendo a primeira prevista para agosto no jornal La Patria, em Manizales.

"Da Primavera Árabe à derrota da proposta de reforma judicial na Colômbia, vimos como os movimentos de cidadãos têm recuperado seu papel dominante no debate democrático", disse Fabio Posado, presidente do Consejo de Redacción.

Via ICFJ