Como jornalistas podem usar Web analytics para ideias de pauta

por Nicole Martinelli
May 22, 2012 em Diversos

Examinar os números do seu blog ou website para ver o que seus leitores estão procurando é uma ótima maneira de conseguir dar um furo de notícia.

A incansável fundadora do site Homicide Watch D.C., Laura Amico tem investigado os dados de consultas de pesquisa em seu site para ficar um passo à frente da concorrência.

Em um exemplo Amico, que falou sobre seu trabalho de reportagem baseada em Web analytics durante um podcast do Journalism.co.uk, reconheceu uns de termos semelhantes de pesquisa por um nome enquanto examinava o Google Analytics numa manhã de domingo.

Ela levou essa informação para o Twitter e Facebook e dentro de algumas horas rastreou e confirmou o nome de uma vítima de homicídio e detalhes suficientes sobre o assassinato que consegui escrever um post mais de um dia antes da polícia ter divulgado um comunicado sobre o fato.

Ser o primeiro a dar a notícia é importante no jornalismo, mas Amico diz que é mais do que isso.

"Enquanto apurava e publicava, eu estava prestando um serviço público. Crieir um lugar para o tio de Jamar [assassinado] pedir ajuda. Para seus professores compartilharem memórias. Para seus amigos confortarem um ao outro. Isso é tudo que importa na reportage para o Homicide Watch."

Se você trabalha na redação de uma grande empresa de mídia, ganhar acesso ao Web analytics pode alterar a inclinação ou tipo de cobertura sobre um assunto também. O canal americano Fox News mudou sua cobertura da tentativa de assassinato da congressista Gabrielle Giffords, quando surgiu nos padrões de busca de leitores que as pessoas estavam mais interessadas ​​em aprender sobre ela do que sobre o atirador, disse Tony Haile, presidente do Chartbeat, um serviço de analytics em tempo real.

"Usar analytics como ferramenta de reportagem é tão simples que às vezes me surpreende", observou Amico nesse post de Tumblr, explicando sobre como funciona.

A parte mais surpreendente é que os jornalistas não estão aproveitando essa ainda.

Via Journalism.co.uk