Como jornalistas podem conduzir pesquisas mais efetivas no LinkedIn

porMargaret Looney
Dec 2, 2013 em Redes sociais

Quando o Twitter estava desmentindo à imprensa a sua intenção de se tornar uma empresa pública, um repórter do USA Today deu o furo sobre a preparação da empresa para o lançamento sua oferta pública inicial (IPO) de ações.

Como ele deu esse furo? Usando o LinkedIn para ficar de olho na empresa. O Twitter postou um anúncio de emprego no LinkedIn buscando um analista de administração de ações, cujas funções incluiriam apresentar o formulário oficial "quando estivessem prontos para abrir seu capital."

Isso é apenas um exemplo compartilhado por Yumi Wilson, gerente de comunicação corporativa do LinkedIn, durante um bate-papo com a comunidade da IJNet sobre como os jornalistas podem usar a plataforma de forma mais eficaz em suas reportagens. Wilson ajuda a coordenar o grupo LinkedIn for Journalists, que apresenta tutoriais para ajudar repórteres a tirar o máximo proveito da rede social para profissionais.

Jornalistas podem usar LinkedIn para conduzir pesquisas mais efetivas quando buscam por fontes, ideias de histórias ou informações. Aqui estão algumas das dicas de Wilson:

  • Siga os canais

Com mais de 30 canais sobre temas da atualidade, como redes sociais, saúde e política, você pode acompanhar sua editoria, sem ter que pesquisar manualmente. "Ao seguir alguns destes canais, verá essas histórias aparecem em sua página inicial no LinkedIn", disse Wilson. Isto também acontece "quando você segue influenciadores e editores."

  • Pesquise listas de influenciadores para encontrar fontes especializadas

LinkedIn abriga uma coleção de mais de 300 formadores de opinião que você pode usar para pegar uma declaração que precisa para a sua matéria. Ao escolher influenciadores, Wilson disse que o editor executivo do LinkedIn Dan Roth se perguntou: "Se você estivesse organizando a melhor conferência do mundo sobre negócios, quem você gostaria de ter no palco?"

  • Use a pesquisa avançada, iniciando de forma ampla e depois restringindo a busca

Por exemplo, se você está procurando uma fonte para uma notícia sobre um descarrilamento de trem, Wilson sugeriu começar com uma pesquisa como palavras simples como "trilho e segurança", e, em seguida, estreitar seus resultados por localização.

Você também pode limitar os resultados de busca por grupos para encontrar a última conversa em torno de um determinado tema e, possivelmente, um novo ângulo da história. Pode procurar pessoas que são apenas suas conexões de primeiro grau.

  • Verifique a credibilidade das fontes

Wilson sugere rever os perfis de possíveis fontes e cruzar informações com outras informações sobre eles na Web. Ela também sugere conferir o número de recomendações, endossos, publicações, prêmios e realizações que eles têm no LinkedIn e em outros lugares online.

  • Quando entrar em contato com uma fonte em potencial, deixe claro se você tem uma conexão com ele ou ela

"É realmente importante explicar por que você quer chegar a alguém via LinkedIn", disse Wilson. "Também ajuda a mostrar como você está ligeiramente ligado à sua fonte em potencial". A ferramenta LinkedIn Alumni permite pesquisar por pessoas que estudaram na sua escola, de modo que sua conexão inerente é visível publicamente.

Você pode entrar em contato com sua conexões de graça, mas para entrar em contato com pessoas fora da sua rede, tem que usar InMail. Os membros do LinkedIn for Journalists que participam de um dos tutoriais recebem um upgrade, que inclui 25 InMails gratuitos por mês.

  • Se você não tem uma conexão com a fonte, tente criar

Wilson observou que há boas dicas sobre como fazer isso no LinkedIn Help Center, que afirma: "Introduções permitem que você entre em contato com os membros de sua rede estendida através das pessoas que você conhece. Se quiser entrar em contato com alguém que está a dois ou três graus de distância de você, pode solicitar uma introdução através de uma das suas conexões. Sua conexão, por sua vez, decide sobre encaminhar a sua mensagem para o destinatário pretendido (se na sua rede de segundo grau) ou a uma conexão compartilhada (no caso de rede de terceiro grau)."

Leia o arquivo do chat (em inglês) aqui para mais dicas sobre como usar LinkedIn em sua reportagem.

Artigos relacionados:

Cinco dicas do LinkedIn para jornalistas freelance

Cinco maiores erros que jornalistas fazem no LinkedIn

Margaret Looney, assistente editorial da IJNet, escreve sobre as últimas tendências de mídia, ferramentas de reportagem e recursos de jornalismo.