Como jornalistas cidadãos podem reportar em comunidades remotas ou carentes

porBabatunde Akpeji
Aug 3, 2015 em Diversos

Que opções estão disponíveis para as comunidades remotas que querem atrair a atenção do governo ou interesse da mídia? Na região do Delta do Níger na Nigéria, alguns membros dessas comunidades estavam ansiosos para contar suas histórias sobre os desafios de saúde, degradação ambiental e infraestrutura precária. Mas eles não tinham as habilidades para fazê-lo.

A situação mudou quando o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ) construiu uma rede de jornalistas-cidadão para o projeto  Vital Voices for Health (Vozes Vitais para Saúde), que treinou 60 membros dessas comunidades para reportar  problemas que lhes afetam.

Vindos de diversas origens e com diferentes qualificações acadêmicas, os jornalistas cidadãos tinham pouco ou nenhum conhecimento de como reportar sobre os problemas em suas comunidades, que são muitas vezes negligenciados ou pouco divulgados na mídia tradicional.

Esses cidadãos, alguns de aldeias remotas com telecomunicação ruim, vieram para os seus primeiros treinamentos com longas listas de problemas da comunidade que queriam destacar.

As sessões de treinamento cobriram o básico do jornalismo e ética, e cada participante recebeu um smartphone junto com a orientação sobre como usá-lo para reportagens. Aqui estão três dicas compartilhadas durante os treinamentos:

  1. Tenha os fatos corretos em todos os momentos. Um erro faz você perder a credibilidade construída ao longo do tempo. Nenhuma organização de mídia quer ser identificada com reportagens imprecisas. Para obter os fatos, um bom jornalista deve falar com uma variedade de fontes de confiança com experiência no tema a ser coberto. Se você está cobrindo a qualidade de uma clínica de saúde, converse com os médicos, autoridades locais de saúde e consumidores. Nunca dependa de uma única fonte.
  2. Faça histórias sobre temas próximos a você. Relacione suas histórias com a sua comunidade. E use as experiências de cidadãos comuns para explicar um problema ou questão da comunidade. Fale sobre a mãe que não conseguiu remédios porque a farmácia local ficou sem suprimentos. Ou a criança que contraiu cólera por beber de um córrego poluído. O público vai apreciar melhor histórias que possam se identificar.
  3. Quando possível, forneça informação que é útil para o público ou "notícias que você pode usar". Se discutir um problema de saúde, pode fornecer informações sobre clínicas, tratamentos ou prevenção. Por exemplo, que medidas podem ser tomadas para manter a sua família livre da malária? Onde o público pode obter redes mosquiteiras e qual é a maneira correta de usá-las? Este tipo de informação é útil para o público.

Vários treinamentos depois, muitos dos participantes escreveram matérias sobre as condições de vida em suas comunidades, incluindo os recursos de água poluídas, estradas ruins e clínicas de saúde mal equipadas.

Suas matérias demonstraram o que é possível quando os cidadãos são equipados com habilidades básicas de reportagem. As reportagens lançaram luz sobre o estado das instalações de saúde e sobre atitudes em relação à saúde e questões ambientais. Também apontaram casos de ativismo comunitário e auto-ajuda.

Fyneface Dumnamene de Port Harcourt cobriu a história de uma comunidade sem instalações sanitárias, que apareceu no jornal diário nacional, Vanguard. Fyneface disse que a história teve "um impacto de longo alcance que eu nunca poderia imaginar."

"A comunidade antes esquecida teve um cais construído em seu rio que logo seria seguido por uma rede de estradas e, em seguida, outras comodidades como água, eletricidade e instalações de saúde", disse ele. "Embora eu não posso atribuir a atenção [do governo] que a comunidade recebeu à minha matéria por si só, as histórias têm contribuído para a atenção que a comunidade recebeu."

Elder Dandy Mgbenwa de Okwuzu no estado de Rivers cobriu uma história sobre as práticas de imunização em mulheres, e assinala que é agora uma parte da rotina diária de muitas mulheres. "Há também um aumento global do número de crianças que são agora imunizadas, de acordo com registros disponibilizados pelos centros de saúde locais da região."

Falokun Sucess Desayo de Akure, a capital do estado de Ondo, informou sobre um acúmulo de resíduos de plástico em uma via navegável que bloqueou uma ponte e causou inundações. A matéria chamou a atenção do Ministério do Meio Ambiente da Nigéria, que agora examina a ponte para ter certeza que não está bloqueada.

Estes são exemplos do que os cidadãos em comunidades remotas ou carentes podem alcançar quando ganham habilidades para informar sobre suas comunidades e atrair a atenção dos tomadores de decisão que podem resolver os problemas locais. Com seu conhecimento de questões locais e formação para identificar e desenvolver uma boa matéria, estes cidadãos também podem ser um recurso valioso para os órgãos de comunicação com base urbana que buscam expandir sua cobertura.

Imagem do jornalista cidadão Bere Noble Letham na Nigéria cortesia de Akpeji