Como a BBC se prepara para o futuro do consumo de notícias na África

porAshley Nguyen
Jun 22, 2015 em Diversos

Em agosto de 2014, uma equipe do Connected Studio da BBC viajou para quatro países da África com um objetivo em mente: Preparar a BBC para o futuro das mudanças que acontecem na África Subsaariana.

O grupo partiu em busca de parceiros de tecnologia locais que poderiam ajudar a organizar eventos do tipo hackatonas para expandir o  Connected Studio da BBC na África. O Connected Studio, o programa de inovação para a mídia digital da BBC, trabalha com empresas de tecnologia para desenvolver produtos-piloto com potencial para uso dentro das redações da BBC.

Mas com 100 eventos como experiência, o Connected Studio não tinha ainda ido além das fronteiras do Reino Unido. A África, com a sua evolução tecnológica e grande público da BBC, parecia ser um bom lugar para começar fora do Reino Unido,

"A África é atualmente o maior continente em termos de ser o maior condutor de audiência para a BBC internacionalmente", disse à IJNet Dmitry Shishkin, editor de desenvolvimento digital da BBC. "Nós obviamente queremos manter esse público, mas também queremos fazer crescer a audiência. Nós percebemos que o público está passando por enormes mudanças tecnológicas. Atualmente estamos alcançando esses públicos através de televisão, rádio e online, mas sabemos que o crescimento será online."

A BBC já investiu muitos recursos para expandir sua presença digital na África, onde chega a mais de 100 milhões de pessoas a cada semana em 48 países. Em janeiro, a BBC lançou uma página voltada para a África, para que quando os usuários visitem bbc.com, acessem mais manchetes sobre seu continente. Após a mudança, os usuários únicos da África aumentaram em 10 por cento, disse Shishkin. No final de março, a BBC África adicionou uma página ao vivo onde os repórteres publicam trechos das grandes notícias do dia em tempo real.

A organização também sabe que parte da África Subsaariana está se afastando do rádio de ondas curtas, passando por cima do computador de mesa e confiando em seus telefones móveis para acessar o conteúdo da BBC.

Para atingir a população africana nas plataformas para onde está migrando, a BBC precisava da ajuda de consumidores de notícias do continente. O Connected Studio organizou dois eventos com apoio local em Nairóbi, no Quênia, e na Cidade do Cabo, na África do Sul com a intenção de abordar três questões: língua da tecnologia, distribuição de notícias em plataformas sociais e móveis e a distribuição de áudio.

Em cada evento, os participantes receberam da BBC um desafio juntamente com o acesso a várias APIs (interface de programação de aplicativos), permitindo aos participantes construir em cima da tecnologia existente da BBC.

Em fevereiro, na hackatona de Nairóbi, 13 equipes foram incumbidas de desenvolver maneiras de alcançar jovens usuários de dispositivos móveis em todo o Quênia. Os juízes do evento, realizada no iHub, selecionou duas equipes vencedoras:  Go Sheng Services, uma organização que protege o idioma e cultura Sheng do Quênia, e Ongair, uma empresa que ajuda as empresas se comunicarem através de aplicativos de mensagens, como WhatsApp.

Mais tarde, em abril, a BBC realizou um estúdio de desenvolvimento na Cidade do Cabo em colaboração com RLabs, um estúdio de habilidades e treinamento baseado em um subúrbio da cidade chamado Athlone. Desta vez, as equipes focaram em como distribuir áudio de uma forma rentável. (O consumo de notícias móvel está crescendo na África do Sul, mas dados permanecem caros.) A equipe vencedora, RLabs Catch Up, desenvolveu um "widget que permite distribuir o BBC Minute de uma forma muito transparente", explicou Shishkin.

As equipes vencedoras de ambos os eventos vão passar seis meses trabalhando no desenvolvimento e prototipagem de suas ideias e receber financiamento e orientação da BBC. Shishkin disse que alguns outros projetos produzidos em Nairobi e na Cidade do Cabo foram selecionados como estudos de viabilidade, ou seja, a organização irá explorar o potencial das propostas antes de decidir se deve ou não ir para a frente com as ideias. Shishkin disse que uma medida do sucesso será se os projetos podem ser aplicados em outros países.

Jacqui Maher, uma jornalista interativa que trabalha com a BBC News Labs que ajudou no Development Studio da Cidade do Cabo, ressaltou a importância de criar esses protótipos.

"Em vez de ter um grupo de pessoas em Londres sentado em uma sala de reuniões, [falando] 'Ah, como podemos obter mais gente no nosso material para a África Subsariana', [estamos] realmente indo para a África Subsaariana e trabalhando com as pessoas que moram lá", disse Maher.

Imagem principal de Kurt Appolis do RLabs Catch Up cortesia do Serviço Mundial da BBC