Cinco ferramentas do movimento 'Occupy Wall Street' para jornalistas

porNicole Martinelli
Oct 17, 2011 em Jornalismo digital

O movimento Occupy Wall Street (Ocupar Wall Street), que começou em Nova York e se espalhou para dezenas de cidades dos EUA, é o lugar onde o ativismo dos anos sessenta se junta a novas e velhas ferramentas de tecnologia para disseminar a mensagem.

Aqui estão cinco dicas que devem estar no radar dos jornalistas, segundo a IJNet.

Vibe. Este aplicativo gratuito para iPhone torna os tuites anônimos e os deleta depois um tempo definido pelo usuário.

Inicialmente desenvolvido para aliviar o tédio nas reuniões de diretoria, ele se popularizou desde que manifestantes o usaram para obter amensagem sobre o que está acontecendo, sem alarmar esposas, pais ou patrões.

Ele transmite a mensagem (texto, foto ou vídeo) em uma escala geográfica a definir (a partir de 48 metros a quilômetros de distância ou globalmente) e por quanto tempo você quer compartilhá-lo -- de 15 minutos a 30 dias. Uma versão do Android está em beta. Tuiteiros anônimos também podem optar por transmitir a mensagem a todos os seus seguidores, mas isto parece ser uma opção mais arriscada para os menos habilidosos.

Pastebin. Os manifestantes estão usando Pastebin, um nome que irá provocar flashbacks para o aficcionados por tecnologia. (O site se intitula "a ferramenta de paste No. 1 desde 2002!")

Concebido como um lugar para os programadores para ficarem e, possivelmente, compartilhar partes de código, o New York Times o descreveu como "algo como o espaço vazio em uma parede da cabine de telefone ou um centro comunitário, onde se pode anonimamente por um anúncio... ou se juntar a um manifesto."

Os manifestantes estão usando a ferramenta para organizar e levantar fundos - e publicar nomes dos policiais que dizem estão envolvidos em espancamentos. Uma coisa que você não poderia fazer em 2002! Siga Pastebin on Twitter para ver qual é a tendência.

Papel e plástico. Além dos panfletos de costume, os ocupantes arrecadaram US$75.000 no Kickstarter para imprimir o "Occupied Wall Street Journal". Duas edições do Occupied Journal em inglês e espanhol estão disponíveis até agora em papel e online -- o que demonstra que o impresso está vivo e as pessoas estão dispostas a pagar por ele.

Em San Francisco, um manifestante também entregou cópias de documentários relacionados , como o "Wake up Call" do YouTube em CDs, uma forma interessante de atrair as pessoas interessadas e aprender mais, longe da agitação.

Global Revolution. A revolução está sendo televisionada -- não inteiramente pelas emissoras tradicionais. Quase ao mesmo tempo que os ocupantes se reuniram no Zucotti Park em Nova York, eles fizeram upload de câmeras diversas e arquivaram as imagens no canal Livestream.

Uma equipe de jornalistas de uma série de sites independentes trabalha juntamente para fornecer contexto e verificação dos fatos, tornando o site um lugar central para encontrar imagens originais ao invés de vasculhar milhares de resultados no YouTube. Os recursos de Twitter e chat do Livestream também tornam mais fácil entrar em contato com os participantes em tempo real.