Agências de notícias digitais destinadas a geração do milênio levam vantagem no espaço global de startups

porJames Breiner
Apr 21, 2014 em Redes sociais

Alguns dos sites que mais crescem na Ásia, América Latina e Estados Unidos estão focando em um público jovem que quer um jornalismo menos partidário, mais crível e, às vezes, irreverente.

O Animal Politico no México começou como um feed de Twitter arrojado. O News Lens em Taiwan foi criado para pessoas que desconfiam de todos os meios de comunicação tradicionais. E o PolicyMic nos Estados Unidos destina-se à geração do milênio que quer participar de uma conversa em torno da notícia.

Os fundadores contaram suas histórias durante o Simpósio Internacional de Jornalismo Online no Centro Knight para o Jornalismo Digital nas Américas, nos dias 4 e 5 de abril, em Austin, Texas.

Quem é a geração do milênio? Em termos gerais, é uma geração de nativos digitais com idades entre 18 e 34 anos, alvo dos publicitários por seus altos níveis de renda e educação.

Em Taiwan, credibilidade

Joey Chung, cofundador e presidente do News Lens, disse que a publicação em língua chinesa lançada em julho tem uma audiência de três milhões de usuários únicos mensais.

As pesquisas mostram que a grande maioria dos taiwaneses não acredita nas notícias que recebem da mídia tradicional, que eles percebem como partidária para a esquerda ou direita, disse Chung. "Há raiva e frustração com a notícia, e nós queremos representar uma mudança". Assim, o News Lens tenta fornecer um jornalismo destemido, equilibrado, justo e crível.

A publicação tem 180 escritores que produzem 40 artigos por dia, 20 a partir de agregação e 20 de colunistas. No início, os fundadores não conseguiram convencer os investidores a colocar dinheiro no projeto porque já existiam milhares de agências de notícias na região.

"No final, você só tem que fechar os olhos e se jogar", disse Chung. Então, eles lançaram [o site] com seu próprio dinheiro.

No entanto, desde então, o site tem atraído os investidores de anjo Marcus Brauchli e Sasa Vucinic. "Sasa e eu estamos extremamente impressionados com a visão e energia que Joey Chung e Mario Yang e sua equipe trazem ao News Lens. Nós dois já passamos um tempo com eles em Taipei", Brauchli disse a Catherine Shu do Techcrunch.

Chung descreveu uma estratégia de distribuição que tem como objetivo estar na frente dos usuários de todo o dia. Eles publicam nas mais populares plataformas de mídia social na Ásia. Eles têm acordos com operadores de telas de vídeo em táxis, elevadores e trens do metrô, onde os clips são apresentados por 90 segundos --o tempo que leva para viajar entre paradas.

No vídeo (em inglês), Chung explica como seu empreendimento tenta renovar o modelo jornalístico a cada poucos meses.

Sério e divertido

Daniel Eilemberg, fundador do Animal Politico, só tem 35 anos, mas foi editor de várias das principais publicações de negócios e notícias nos Estados Unidos e América Latina. O site espanhol começou há três anos como um feed no Twitter e prospera em estar no centro das conversas sociais sobre a notícia. Emprega 20 jornalistas para dar notícias a um público mexicano de uma forma que é ao mesmo tempo divertida e informativa.

Em uma entrevista, Eilemberg me disse que o tráfego do site tem em média quatro milhões de usuários únicos e sete milhões de page views por mês e que espera alcançar rentabilidade este ano. Mais da metade do tráfego vem de dispositivos móveis.

O público-alvo é a geração do milênio, com idades entre 18 e 34 anos. "Uma das grandes lições que aprendemos no Animal Politico é como gerar engajamento com eles, como gerar diálogo com eles em torno da notícia."

Ele levou essas lições consigo para a Fusion.net da Univision, onde está trabalhando com o objetivo de alcançar o mesmo demográfico entre os jovens hispânicos nos Estados Unidos. Em janeiro, foi nomeado diretor digital encarregado de plataformas digitais, móveis e sociais.

Eilemberg aconselha jovens empreendedores a "simplesmente fazer. O pior erro que você pode fazer é não tentar. Comece pequeno, teste a ideia e quando mostrar que a ideia é bem sucedida, tudo fluirá a partir daí."

"Lançamos o Animal Politico no Twitter e durante um ano quase não conseguimos nada, mas também não gastamos quase nada. Queríamos provar o conceito de que poderia haver uma marca que falasse sobre política e questões importantes e pudesse se conectar com a geração mais jovem. Quando tivemos a prova de que ia funcionar, investimos no Animal Politico."

Capacitar os jovens

O PolicyMic.com visa também a geração do milênio que está insatisfeita com agências de notícias tradicionais. Atinge 14,5 milhões de usuários únicos por mês, de acordo com Jake Horowitz, co-fundador e editor-chefe.

O site começou há dois anos e meio, e "o objetivo ao longo desde o começo é capacitar os jovens que querem fazer parte da conversa em torno da notícia e sentem que as agências de notícias, historicamente, têm feito um trabalho pobre de atrair a nossa geração."

"Os jovens querem ler sobre assuntos sérios, mas querem ouvir vozes autênticas. Eles foram enganados muitas vezes por políticos e agências de notícias."

O site atraiu um pouco mais de US$3 milhões em financiamento inicial, disse Horowitz, o que permitiu que eles se concentrassem em crescer, sem ter que se preocupar no momento com a geração de lucro.

O PolicyMic tem sede em Nova York e emprega 13 editores, bem como freelancers de todo o mundo. Um elemento da estratégia editorial é enquadrar histórias para um público mais jovem que quer ouvir vozes mais autênticas que desafiam o status quo, disse Horowitz.

Parte dessa estratégia inclui a distribuição de notícias através de redes sociais, que é onde o público-alvo está consumindo notícias e compartilhando histórias. "Os jovens não estão indo para sites de notícias. Eles estão indo para o Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, Vine. Você tem que alcançar os jovens onde eles estão tendo as conversas. E as histórias tem que ter uma aparência diferente em cada uma dessas plataformas sociais diferentes. Estamos moldando os artigos, de modo que sejam apropriados para cada uma dessas plataformas."

Até agora, o PolicyMic testou algumas campanhas publicitárias. Eventualmente, "haverá grandes oportunidades de trabalhar com marcas para produzir conteúdo atraente de uma forma única na voz autêntica da qual eu estou falando", disse Horowitz. Uma coisa é certa, ele disse: "Minha geração não lê banners."

Este artigo apareceu originalmente no blog News Entrepreneurs e é traduzido e publicado na IJNet com permissão do autor.

James Breiner é consultor em jornalismo online e liderança. Foi co-diretor do Global Business Journalism Program na Universidade Tsinghua e bolsista do programa Knight International Journalism Fellow, tendo lançado e dirigido o Centro de Periodismo Digital na Universidade de Guadalajara. Visite seus sites News Entrepreneurs e Periodismo Emprendedor en Iberoamérica e siga-o no Twitter.

Foto de Joey Chung, co-fundador do News Lens, cortesia de James Breiner