3 formas como grandes empresas de mídia estão inovando durante a pandemia

por Jennifer Dorroh
Jun 16, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Lâmpada

A pandemia global de COVID-19 está testando as ideias do jornalismo sobre inovação em notícias digitais, disse Mark Lacey, editor nacional do New York Times.

Durante anos, as redações falaram sobre ser mais inovadoras. "Nós conversamos sobre a importância de diferentes formas de histórias e o digital", disse Lacey durante um painel online recente. Com a chegada da pandemia, "parece que todos esses treinamentos realizados por todas essas pessoas há anos foram feitos para [cobrir] essa história".

"Esses treinamentos fizeram sentido? Acho claramente que sim", disse ele. "Sair do formato tradicional de artigos longos é sábio, necessário, prudente e simplesmente um bom jornalismo. E aqui temos evidências disso todos os dias."

Lacey se juntou a Marta Gleich, diretora de jornalismo para jornais, digital e rádio do Grupo RBS no Brasil, e ao chefe de inovação da redação do Wall Street Journal, Robin Kwong, como palestrantes no webinar "Jornalismo e Pandemia: abordagens inovadoras para reportar sobre #COVID19". A Profa. Emily Bell, do Tow Center, e a Dra. Julie Posetti, diretora de pesquisa global do ICFJ, moderaram a discussão.

 

Lacey, Gleich e Kwong compartilharam como seus meios de comunicação estão inovando para atender às necessidades do público durante a crise global da saúde. Aqui estão os pontos principais da conversa:

New York Times: humanizando o número de mortes pela pandemia

À medida que o número de mortos aumenta, "os números cresceram tanto que foi difícil compreender", disse Lacey. Quando se aproximava o marco de 100.000 mortes nos EUA, os editores do Times se perguntavam: "Como podemos mostrar o que isso significa e fazer as pessoas realmente sentirem isso?"

Em sua página inicial e na primeira página impressa, o Times publicou 1.000 nomes, ou 1% das primeiras 100.000 vítimas do COVID-19 nos EUA, juntamente com algumas informações biográficas básicas sobre cada uma delas. "Não havia uma única foto. Não havia outros artigos. Isso tomou quatro páginas", disse ele. É uma das peças mais lidas do New York Times da história, disse ele.

"Basicamente, pesquisamos 268 jornais locais em toda a América para encontrar pessoas que morreram de coronavírus. E buscamos alguma descrição de onde eles eram e quem eram. E a reação a isso foi incrivelmente forte", disse ele.

[Leia mais: Como escrever sobre perdas humanas durante pandemia de COVID-19]

O Times percebeu no início da pandemia que os Centros de Controle de Doenças dos EUA não publicariam dados atualizados por local. "Então começamos a coletar números e agora temos quase 40 pessoas fazendo nada além de coletar números" para tornar o Times um site obrigatório para dados específicos de condados e estados.

"O contador de casos do Times -- cheio de mapas e interpretação -- é o item mais visualizado que produzimos durante tudo isso. É atualizado 24 horas por dia", disse ele. "Isso levou a muitas outras grandes matérias de jornalismo."

Um grande esforço de coleta de dados está impulsionando todo o jornalismo do Times, disse Lacey. "No entanto, estamos tentando dar vida aos dados", disse ele, "e não há razão para que histórias sobre algo tão dramático quanto uma pandemia, se for o caso, sejam monótonas".

Ele acha que a experiência de colaborar em larga escala com uma equipe completamente remota pode mudar a maneira como os editores do Times trabalham no futuro pós-pandemia. "Estou sentado sozinho aqui, e a única maneira de fazer qualquer coisa é convidar as pessoas para uma discussão. Não é mais recorrer à pessoa ao meu lado, recorrer às pessoas comuns. É convocando as pessoas", disse ele. "E acho que o jornalismo excelente vem da convocação de muitas pessoas inteligentes ... acho que daí podemos sair melhor disso, porque temos que ser intencionais em uma situação como esta."

Grupo RBS do Brasil: jornalismo de soluções

"Antes da pandemia, estávamos conversando dentro da empresa sobre o que poderíamos fazer para enfrentar perdas de credibilidade e relevância", disse Gleick. Os líderes decidiram que a resposta era adotar uma abordagem construtiva de jornalismo, também conhecida como jornalismo de soluções.

A chegada da pandemia não inviabilizou os planos. Tornou a necessidade de soluções jornalísticas ainda mais urgente, disse ela. "Queríamos trazer alguma esperança para discutir como podemos resolver problemas econômicos ou de saúde. Treinamos rapidamente 100% de nossas redações em televisão, estações de rádio, jornais, digital. E agora o jornalismo de soluções está se tornando parte da nossa cultura."

[Leia mais: O papel do jornalismo de soluções na reportagem sobre COVID-19]

"No Brasil, estamos travando várias guerras ao mesmo tempo: a luta contra o coronavírus, uma radicalização muito forte. Estamos recebendo mais ataques à imprensa. E também [há] uma grande confusão por parte do governo e do presidente, que lançou estratégias e mensagens erráticas sobre isolamento social, por exemplo", afirmou. "E agora o governo omite informações sobre os números da doença."

Para preencher o vazio, disse Gleick, "a mídia brasileira lançou esta semana uma iniciativa para fornecer os números que o governo não fornece". Eles formaram "uma parceria entre alguns dos principais jornais e sites do país para coletar dados como o número de [pessoas] infectadas e o número de mortes e divulgá-los diariamente".

O RBS realiza treinamentos frequentes sobre reportagem de especialidades, especialmente saúde, estatísticas e combate à desinformação, para "que a equipe fique mais qualificada do que éramos quando entramos nessa pandemia", disse.

Wall Street Journal: tornando as informações acessíveis e interessantes

Como muitos meios de comunicação, o Wall Street Journal tornou gratuito seu conteúdo relacionado à COVID-19. Mas como a publicação normalmente requer uma assinatura, "como as pessoas vão saber?", Kwong perguntou. "Portanto, nossa equipe ajudou muito rapidamente a criar essa barra de navegação bastante simples na parte superior que trabalhamos com a redação para manter o conteúdo atualizado e trabalhamos com equipes de produtos para fazer melhorias contínuas nela."

A equipe também melhorou a interatividade das perguntas e respostas, que ele chamou de "um dos exemplos de formatos de histórias que já existem há algum tempo, mas que realmente surgiram durante a pandemia de coronavírus. As pessoas têm muitas perguntas sobre todos os aspectos do que está acontecendo, sobre testes, sobre abertura dos estados, quais lojas estavam fechando e o que estava abrindo novamente. Simplesmente, você tem um monte de perguntas e responde isso com as reportagens."

"O que fizemos foi criar esse novo formato interativo, porque pensávamos que, se você é um leitor e chega a um desses artigos, o que você quer saber é: 'A pergunta que tenho na minha cabeça será respondida neste artigo?'"

O formato estático tradicional é "bastante difícil de pesquisar para encontrar sua pergunta", ele disse. O novo formato "leva as pessoas às informações um pouco mais rapidamente, ajuda a navegar no site e a ver o que realmente existe".

O Wall Street Journal também está tentando "usar isso como uma oportunidade para transformar o jornalismo em uma conversa um pouco mais bidirecional, para que seja menos sobre nós fazendo reportagens e mais realmente sobre envolver o público e tentar descobrir o que precisam e o que querem que descubramos para eles", disse ele.

Sua equipe construiu uma plataforma segura onde os repórteres podem buscar informações e se envolver com os membros da comunidade. "Fiquei realmente animado com a enorme quantidade de chamadas de leitores e o grande trabalho que repórteres e editores colocaram em contato com os leitores nos últimos dois meses", disse ele. Eles também realizam eventos de perguntas e respostas ao vivo online.


Este webinar fez parte do Projeto Jornalismo e Pandemia - uma colaboração entre o ICFJ e o Tow Center. A pesquisa está mapeando os impactos do COVID-19 no jornalismo em todo o mundo e tem como objetivo ajudar a informar a recuperação. Saiba mais e responda a pesquisa aqui.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash por Anastasia Zhenina