Idiomas

Vai concorrer a uma bolsa de jornalismo? Não cometa estes 9 erros

Vai concorrer a uma bolsa de jornalismo? Não cometa estes 9 erros

Eric Karstens | 24/05/18

Não há muitos subsídios para jornalistas. A maioria é para quantidades relativamente pequenas, que muitas vezes, no entanto, fazem um mundo de diferença. Se você puder gastar EUR1.500 para visitar o local que está cobrindo, seu projeto pode se tornar viável e os leitores certamente notarão a evidência de sua experiência em primeira mão.

Alguns preciosos programas de bolsas oferecem valores substancialmente mais altos, como o Innovation in Development Reporting (observação: trabalho para esse projeto). Grandes doações podem financiar equipes inteiras de jornalistas, fotógrafos, especialistas, designers gráficos, especialistas em dados, codificadores e assim por diante, para se dedicarem a uma investigação ambiciosa que veículos de notícias talvez não teriam encomendado por conta própria.

Estou pessoalmente envolvido no campo de bolsas de diferentes perspectivas: como autor de subsídios, como consultor de subsídios e ocasionalmente como membro de um pré-júri. Nessas capacidades, notei nove erros comuns cometidos por candidatos e, especialmente, por candidatos da comunidade jornalística. Vejo com base na minha experiência que isso acontece porque os jornalistas --diferente, por exemplo, das ONGs-- não têm normalmente o estado de espírito necessário para as subvenções. Eles propõem sua pauta para um editor, o editor diz “não” ou “sim”, e eles começam a trabalhar. Mas a elaboração de um pedido de subsídio não requer apenas um bom planejamento antecipado, mas também uma técnica um pouco complexa. De certa forma, pedidos de subvenção são propostas jornalísticas vitaminadas.

Então, aqui está minha lista de erros que tendem a matar muitos projetos jornalísticos iniciantes antes de terem uma chance. Por uma questão de clareza, posso estar exagerando um pouco, mas realmente só um pouco.

1. Não ler e entender os termos e condições

É realmente impressionante quantas propostas de financiamento expressam apenas um conhecimento bastante fugaz das condições do programa para o qual se candidatam. Os jurados notam e descartam tais propostas imediatamente, mesmo que tenham mérito em si. Por que um programa que exige, digamos, cobertura dos últimos desenvolvimentos em biociência financiaria uma reportagem sobre a crise dos refugiados?

Portanto, eu recomendo ler o texto da chamada não apenas duas vezes, mas o tanto quanto puder: você ficará surpreso com o tipo de nuance que descobre depois de se familiarizar com ele completamente. Isto está intimamente ligado com...

2. Perder de vista o tópico específico

Mesmo que as propostas sigam o tema geral correto, muitas vezes ainda falham em abordar o que o programa de bolsas busca. Se a chamada trata, por exemplo, da cooperação para o desenvolvimento com os países menos desenvolvidos do mundo, então não venha com uma proposta sobre questões de desenvolvimento rural na Alemanha Oriental. Isso pode parecer óbvio, mas na verdade estou falando com base na minha experiência.

Assim, preste atenção também aos pontos mais delicados da chamada e, por favor, faça o que aprendeu como jornalista: realize algumas pesquisas para entender realmente as letras miúdas do financiador. Mas mesmo se você fizer isso, pode...

3. Não ser específico o suficiente

Muitas propostas conseguem acertar no tópico e nas condições, mas fracassam porque não desenvolvem uma ideia suficientemente concreta sobre o tipo de história específica que gostariam de contar. Uma proposta de subsídio para investigar a corrupção pode ser boa como tal, mas os jurados gostam de ver que você tem um caso particular em mira e não vai apenas pesquisar até que, por acaso, possa se deparar com um caso interessante.

Portanto, faça sua lição de casa antes de concorrer: faça uma pesquisa inicial, verifique se seus palpites estão corretos, explore se você pode realmente desenvolver as fontes necessárias para provar a história para o seu público. E mesmo assim, isso não é suficiente se você...

4. Não se explicar adequadamente

Um monte de ideias de pautas são brilhantes, viáveis e uma combinação perfeita para o programa de subsídios em questão. No entanto, uma quantidade substancial de propostas não consegue transmitir esse brilho, o que parece surpreendente para os jornalistas: afinal, é supostamente o seu trabalho. Mas isso mostra quando a solicitação foi preenchida rapidamente e sem entusiasmo, ou você não se deu ao trabalho de entrar em detalhes suficientes.

Suponha que o júri não saiba nada sobre o assunto que você está propondo, mesmo que normalmente o oposto seja verdadeiro. A suposição da ignorância do seu público ajudará você a explicar e motivar seu discurso com muito mais credibilidade. Mas daí vem a próxima armadilha:

5. Não tranquilizar o doador que você pode realmente fazer isso

Existem muitos pedidos de subsídios que dominam todas as etapas acima mencionadas, mas eventualmente não demonstram as competências e habilidades apropriadas para implementar o projeto. Às vezes isso é negligência, às vezes apenas ingenuidade. Se você nunca esteve antes na África, o júri certamente não permitirá que você viaje ao Congo: tanto porque eles estão preocupados com o seu bem-estar quanto porque não querem perder o dinheiro da doação.

A competência pode ser comprovada de várias maneiras. Se você é um repórter experiente, entregue um currículo detalhado com referências verificáveis. Se você não tiver a experiência específica, mostre que você pesquisou os desafios e desenvolveu táticas razoáveis para lidar com eles.

6. Dar a entender que só busca dinheiro

Algumas propostas de bolsas fracassam na credibilidade, mesmo que a ideia da história esteja bem desenvolvida. Isso acontece em particular quando não há correspondência entre a pessoa ou a equipe que está se candidatando e o tópico. Um experiente repórter esportivo que, de repente, pretende investigar os meandros da proliferação de armas nucleares, por exemplo, corre o risco de que o júri acredite que ele ou ela está nisso apenas pelo dinheiro que está disponível, mas não por causa da paixão pelo tema.

Normalmente, é mais promissor solicitar programas de subsídios que tenham uma relação clara com sua carreira até o momento. Mas se você de fato desenvolveu um interesse inteiramente novo, explique por que e como isso aconteceu. Porque senão o júri pode não gostar se você..

7. Presumir que devem algo a você

Isso realmente acontece especialmente para os nomes de maior destaque no jornalismo. Eles talvez já sejam uma espécie de celebridade em sua editoria, ou trabalham para uma organização de notícias que todos conhecem e respeitam ou, pior ainda, trabalham na televisão. Eles estão acostumados a portas sempre se abrindo quando eles chegam e políticos que encontram tempo para conversar com eles. Então, por que alguns jurados não deveriam conceder um bom subsídio?

Claro que funciona a seu favor se você tem uma boa reputação e é amplamente conhecido como um grande formador de opinião. No entanto, os jurados tendem a apreciar a modéstia. Com cuidado, defina a sua proposta como todo mundo, sobriamente e de maneira atraente. E evite ...

8. Apresentar um orçamento que não tem credibilidade e/ou razão

O orçamento é uma forma de arte e os projetos jornalísticos não são exceção. É sem dúvida difícil antecipar todos os custos e prever todos os problemas financeiros que possam surgir. Erros são perdoáveis. Mas há propostas orçamentárias que são excessivas, em que os candidatos concedem a si próprios salários maiores do que normalmente estão fazendo, ou esperam obter algum dinheiro extra com itens de valor excessivo.

Os jurados têm uma boa ideia do que os jornalistas normalmente fazem, do que custa uma viagem para um local exótico e por quanto tempo você precisa estar lá para reportar sua história apropriadamente. Não tente passar uma semana na praia com o dinheiro do financiador.

9. Confundir-se sobre linguagem e modelos de doadores

Meu ponto final é talvez o menos óbvio. Muitos doadores têm maneiras muito específicas de trabalhar e pensar. Eles podem aderir à metodologia de estrutura lógica, essencialmente desvendando projetos com base na sua finalidade. Ou esperam que você preencha corretamente os formulários destinados principalmente a atender às exigências da administração fiscal ou de outras autoridades reguladoras às quais eles atendem. Isso pode ser confuso e bastante difícil para os iniciantes.

A maneira mais fácil de superar isso é pedir ajuda a beneficiados anteriores: afinal, eles foram bem-sucedidos. Encontre tutoriais como este, analise atentamente as perguntas frequentes do financiador ou pergunte aos especialistas sobre o financiador: muitas vezes eles ficam felizes em ajudar.

Sem querer ser muito negativo, há uma grande quantidade de excelentes propostas de financiamento de jornalismo por aí; muito mais do que qualquer um dos programas existentes pode esperar financiar. No entanto, gostaria de insistir que o trabalho do candidato é tornar o processo de decisão do júri o mais difícil possível: fazê-lo discutir e considerar seriamente a sua proposta.

Os erros acima cumprem exatamente o oposto.

Este post foi publicado originalmente no site pessoal de Eric Karsten e aparece na IJNet com permissão.

Eric Karstens é consultor, desenvolvedor, autor de pedidos de subsídios, professor, editor e autor, com foco em jornalismo, desenvolvimento de mídia, internet e política de mídia. Ele tem se envolvido com o trabalho de concessão de verbas e júri de jornalismo --tanto do ponto de vista do doador quanto do beneficiário-- e com programas de mídia em países em desenvolvimento e na Europa Central e Oriental.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Olga DeLawrence

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.