Idiomas

Mercy Juma conta sobre experiência como primeira vencedora do Prêmio Elliott

Mercy Juma conta sobre experiência como primeira vencedora do Prêmio Elliott

Sam Berkhead | 30/11/17

A jornalista de TV Mercy Juma passou sua carreira cobrindo matérias críticas de saúde e ciência em todo o Quênia. Através de reportagens como "As mães adolescentes de Kwale", ela ajudou a estimular políticas e mudanças sociais, dando voz a marginalizados em seu país.

Seu trabalho alcançou uma audiência mundial em março, quando foi selecionada entre um grupo de 354 jornalistas como a primeira vencedora do Prêmio Michael Elliott de Excelência em Reportagens Africanas. O prêmio, que leva o nome de um ex-membro do conselho do ICFJ, Michael Elliott, reconhece um jornalista africano que tem uma trajetória demonstrada de reportagens importantes e de alta qualidade.

"Foi um momento decisivo para mim", disse ela. "Eu sabia que tinha o potencial, mas receber esse chamado foi uma confirmação."

Como vencedora do Prêmio Elliott, Mercy ganhou US$5.000 para produzir uma reportagem detalhada e embarcou em uma turnê de estudo em redações nos EUA para ganhar novas habilidades e compartilhar conhecimento.

Mais recentemente, Mercy foi promovida a repórter bilíngue da BBC em Nairobi. Antes de começar o novo emprego em janeiro, ela falou com a IJNet sobre suas experiências como a primeira vencedora do Prêmio Elliott.

IJNet: Como foi a resposta à sua vitória no Quênia?

Mercy: A resposta foi excelente. Meus colegas, primeiro na NTV e no Nation Media Group, e agora na BBC, onde atualmente trabalho, estavam e estão muito orgulhosos de mim. Minha família também! E estou sempre em dívida com cada um deles, porque tudo isso é por causa do ótimo sistema de apoio que tenho, tanto em casa como no trabalho. Vários jornalistas da África Oriental também chegaram a mim perguntando sobre o prêmio e quando podem concorrer também.

Quais lições e experiências você tirou da sua viagem aos EUA?

Aprendi muito com a viagem aos EUA. O mais importante para mim foi visitar as salas de redação, onde aprendi muito sobre matérias digitais, que é uma paixão para mim agora. O Twitter também foi ótimo.

Eu levei para casa muita coisa sobre saúde mental, doenças não transmissíveis e como cobri-las, especialmente na África onde há muitos mitos e equívocos sobre saúde mental.

Por fim, conheci pessoas incríveis e fiz amigos que são um ótimo recurso para mim como jornalista.

Como você acha que o Prêmio Elliott influenciou sua carreira até agora?

Eu cresci como jornalista tremendamente. Na turnê de estudo, voltei para casa com ótimas ideias e dicas sobre matérias digitais, um aspecto que amei muito. Quando ganhei este prêmio, tinha acabado de entrar na BBC como jornalista de TV. Este mês, acabei de ser promovida a repórter bilingue da BBC em Nairóbi.

Que conselho você daria a outros jornalistas africanos interessados ​​em concorrer ao prêmio importante?

Vá em frente e envie sua melhor matéria! A experiência, os contatos e a exposição a partir daí são tremendamente benéficos!

Esta entrevista foi editada e condensada.

As inscrições para o Prêmio Michael Elliott de 2018 para a Reportagens Africanas estão abertas até 31 de dezembro de 2017. Saiba como participar aqui.

Imagem cortesia de Mercy Juma

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.