Idiomas

Mídia dos EUA e gigantes tecnológicos se preparam para combater notícias falsas em 2017

TEMA: 

Mídia dos EUA e gigantes tecnológicos se preparam para combater notícias falsas em 2017

Em 9 de novembro, Eric Tucker, cofundador de uma empresa de marketing em Austin, Texas, tuitou sobre ônibus lotados de pessoas que foram pagas para protestar contra o presidente eleito Donald Trump. O tuite foi viral em todo o país. Com apenas 40 seguidores, a mensagem de Tucker foi retuitada 16.000 vezes e compartilhada mais de 350.000 vezes no Facebook. Embora o tuite de Tucker tivesse gerado controvérsia -- e até mesmo chamou a atenção do presidente eleito -- nenhum desses ônibus existia. De acordo com o New York Times, uma empresa chamada Tableau Software contratou os ônibus para uma conferência.

Dois dias depois, um site de notícias falsas chamado The Denver Guardian espalhou pelo Facebook mensagens negativas e falsas sobre Hillary Clinton, incluindo a alegação de que um agente do FBI ligado à divulgação dos e-mails de Clinton havia assassinado sua esposa e se suicidado.

Notícias falsas tornaram-se um problema tão grande que a mídia e as indústrias de tecnologia estão procurando urgentemente maneiras de resolvê-lo. Como resultado, "a mídia dominante perdeu credibilidade mesmo quando ela merece", disse Dustin Siggins, um jornalista conservador.

O problema está crescendo há algum tempo, mas a campanha presidencial chamou a atenção sobre esta desinformação viral. De fato, histórias fabricadas atraíram mais engajamento nas mídias sociais do que notícias reais quando as eleições chegaram ao fim. Em particular, as notícias falsas -- isto é, farsas, histórias falsas e enganosas de fontes ilegítimas -- aproveitaram o fosso crescente entre as plataformas tecnológicas crescentes e as empresas de mídia tradicionais. O Facebook, em particular, sofreu o peso da crítica por permitir histórias cheias de imprecisões factuais inundarem páginas e desinformarem o público. De acordo com o Pew Research Center, cerca de 1,2 bilhão de pessoas acessam o Facebook todos os dias; quase metade dos americanos dependem da rede social como sua principal fonte de notícias.

Mark Zuckerberg, executivo-chefe do Facebook, defletiu a responsabilidade pela epidemia de notícias falsas de sua empresa, afirmando que "identificar a verdade é complicado". A Columbia Journalism Review descobriu que pode ser complexa para algoritmos, mas fácil para jornalistas cujos deveres diários são tão simples como investigar o que aconteceu, quando aconteceu, quem fez o quê, como e por quê. A literacia mediática tornou-se um desafio porque as pessoas estão tão desconfiadas da mídia institucional que recorrem a fontes alternativas. Uma pesquisa do Pew Research Center descobriu que apenas 18 por cento das pessoas têm muita confiança nas organizações de notícias nacionais; quase 75 por cento disse que as organizações de notícias são tendenciosas.

Embora Zuckerberg tenha descartado a ideia de que as notícias falsas influenciaram significativamente os eleitores em novembro, o Facebook está se esforçando para combater o problema. O Facebook anunciou que tinha começado uma série de experiências para limitar a desinformação em seu site. Os testes incluem a colocação de rótulos de advertência em postagens de notícias falsas, tornando mais fácil para os seus 1,8 bilhões de membros reportarem histórias fabricadas e criando parcerias com organizações de verificação de fatos -- incluindo FactCheck.org, Google, New York Times, PolitiFact, Associated Press e CNN -- para ajudar a indicar quando os artigos são falsos. "Abaixo da manchete, haverá um rótulo vermelho que diz, 'disputado por verificadores de fatos externos'," disse Adam Mosseri, vice-presidente do Facebook em um post no blog.

Organizações de notícias também estão investindo em tecnologia de ponta para lutar pela confiança do público e seu legado usando várias maneiras que ajudam o leitor a distinguir uma notícia real de uma fabricada.

O Washington Post criou uma extensão do Google Chrome para verificar os tuites do presidente eleito Trump. Trump, que usa o Twitter como nenhum outro político americano antes dele, discute temas que vão do político ao pessoal -- mas nem todos os seus tuites são inteiramente precisos.

O Washington Post disse que a extensão foi construída "para ajudar a garantir que o público receba as informações mais precisas possíveis..., o que acrescentará mais contexto ou correções às coisas que Trump tuite". Quando a extensão está ativa, uma caixa de verificação de fato aparecerá diretamente abaixo de qualquer tuite.

Entre outras novas políticas de filtragem, o Google prometeu substituir a seção "In the news" que fica em cima de todos os resultados de pesquisa do desktop do Google com uma rotação de "notícias principais". A porta-voz do Google, Andrea Faville, não foi clara sobre como a empresa determinaria a diferença entre informações falsas e precisas no futuro. "Usamos uma combinação de sistemas automatizados e revisão humana", disse ela ao Washington Post.

O site Slate também construiu "This Is Fake", uma extensão gratuita do Google Chrome que identifica os artigos no feed do Facebook que espalham  intencionalmente informações e permite ao usuário dizer aos seus amigos quando estão compartilhando uma história falsa.

"Quando você conecta 'This Is Fake' à sua conta do Facebook, também pode marcar notícias fabricadas para os nossos moderadores", anunciou o Slate em um comunicado.

De acordo com o Slate, ao instalar a extensão, quando você percorre seu feed do Facebook, as histórias que Slate identificou como notícias falsas serão sinalizadas com um banner vermelho sobre a imagem de visualização, indicando que foram desmentidas.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Jean-Etienne Minh-Duy Poirrier. Imagem secundária cortesia do Washington Post.

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.