Derrubando o paywall: Jornal alemão faz revolução de leitores | IJNet

Idiomas

Derrubando o paywall: Jornal alemão faz revolução de leitores

Derrubando o paywall: Jornal alemão faz revolução de leitores

Anna Rohleder | 31/01/18

É uma empresa social lucrativa.

Um modelo de conteúdo de leitura gratuita em uma escala de custo móvel.

E não menos importante: um jornal com suporte para leitores, onde uma associaçãi de EUR500 não oferece nem mesmo uma assinatura. No entanto, mais de 17.000 pessoas se juntaram à cooperativa de notícias Taz na Alemanha exatamente nesses termos.

O jornal Tageszeitung (chamado de "Taz"), com sede em Berlim, tem mais de 10.000 apoiadores que fazem doações recorrentes para financiar suas operações; 50.000 assinantes de suas edições impressas e digitais; e mais de 17.000 leitores-proprietários que pagam um mínimo de EUR500 para se juntar à cooperativa Taz.

Uma visão cooperativa das notícias

A cooperativa de leitor taz foi fundada em 1992 como uma cooperativa de consumidores, o que significa que é essencialmente uma empresa de propriedade de seus clientes. Os membros compram "ações" na cooperativa, mas não ganham dividendos financeiros de seus investimentos. Em vez disso, a adesão dá direito a um assento metafórico na mesa do negócio do Taz. Nas reuniões anuais, os membros opinam sobre questões operacionais, como pensões complementares para aposentados do Taz ou a compra de novos equipamentos para a redação. No entanto, os membros da cooperativa não têm influência em questões editoriais.

"Taz é de propriedade de seus leitores", diz Konny Gellenbeck, que dirige a cooperativa. "Com outro modelo de negócios, não teria sido possível garantir nosso futuro a longo prazo. A propriedade [coletiva] é o alicerce da nossa cooperativa."

No momento da sua fundação, o objetivo principal da cooperativa era fornecer uma fonte alternativa de notícias com uma perspectiva mais social e disponibilizá-la amplamente. Hoje, o objetivo permanece o mesmo, apesar de todas as formas como a mídia evoluiu nos 25 anos seguintes, incluindo a mudança para o digital.

"Agora a mesma coisa acontece online: a informação é escondida das pessoas por paywalls", diz Aline Lüllmann, chefe de iniciativas de transformação digital no Taz. "Mas acreditamos que as notícias precisam ser livremente disponíveis, o que significa que também precisamos desenvolver alternativas à ideia de conteúdo pago restrito."

'Pague o que você quer' versus paywalls

Todos os conteúdos publicados no site do Taz ou através de redes sociais podem ser acessados gratuitamente. Mesmo assim, os leitores são solicitados a fazer uma doação voluntária de acordo com suas posses.

O Taz pede que os leitores se apoiem mutuamente, sugerindo que aqueles que podem pagar mais devem fazê-lo para manter o conteúdo do Taz acessível para todos os níveis de renda.

Este "modelo de solidariedade" foi lançado pela primeira vez em 1993 para a edição impressa, com um esquema de preços de três níveis, e mostrou-se tão bem sucedido que os editores do Taz decidiram experimentá-lo para o apelo aos leitores online. Funcionou, mas com um detalhe.

Criando um sistema de pagamento para complementar o conceito de 'pague o que puder'

Os leitores não confiaram em terceiros para processar seus pagamentos ou se beneficiar de fazê-lo. Isso significou que o Taz precisou construir seu próprio sistema de pagamento online.

Ao longo do tempo, à medida que o número de doadores digitais cresceu, os editores do Taz perceberam que precisavam de um sistema de pagamento que incluísse a administração de assinantes digitais. Em 2016, o Fundo de Inovação da Iniciativa de Notícias Digitais do Google concedeu uma concessão ao Taz e ao desenvolvedor de software de mídia Sourcefabric para desenvolver um portal de pagamento de código aberto que ofereça essa capacidade com facilidade para os leitores usarem. Eles planejam disponibilizar uma variedade de métodos de pagamento, incluindo débito direto na conta bancária, pagamento mobile e até bitcoin.

Como o portal de pagamento será de código aberto, outras organizações de notícias independentes poderão baixar e usá-lo gratuitamente. "Todas as grandes editoras já dispõem de sistemas de pagamento, então isso é mais para pequenas organizações de notícias ou startups terem essa ferramenta sem ter que gastar dinheiro", disse Lüllmann.

Programado para fevereiro, o portal de pagamento estará disponível para download no Github. O Taz quer ajudar outros sites de notícias independentes a adotar modelos de suporte orientados para o leitor que sejam fáceis de implementar e manter.

"Como com todas as nossas ferramentas de código aberto, nosso objetivo é fornecer tecnologia que torna a mídia independente mais viável", disse Sava Tatić, diretor-gerente do Sourcefabric. "Nós vemos o portal de pagamentos como um meio para fortalecer ainda mais o relacionamento do Taz com sua comunidade de leitores, e espero que também irá beneficiar muitas outras organizações de notícias."

Construindo uma comunidade

Além do próprio portal de pagamento, quais outras lições os sites de notícias independentes podem aprender com o sucesso do Taz com um modelo de "pague o que puder" em vez de paywalls? Lüllmann identificou um foco nas relações com os leitores.

"É muito emocional", disse ela. "Mesmo se as pessoas cancelam sua inscrição, elas vão ligar ou escrever cartas de coração partido."

Ainda mais importante do que vender matérias ou assinaturas é construir a sensação de valores comuns em torno da marca do jornalismo independente do Taz

E essa é uma mensagem que ressoa com os leitores. Herde Hitziger, membro da cooperativa de leitor Taz, escreveu em resposta a uma pesquisa de membros de 2017: "Para mim, Taz faz parte da minha identidade política ... Penso que o leitor cooperativo e Taz "zahl ich" ["eu pago "] é um Ideia visionária. Juntos, estamos fazendo algo disponível que é educacional, incluindo pessoas que não poderiam pagar por isso de outra forma. Também sinto que sou parte de uma comunidade através do Taz.

Anna Rohleder é chefe de comunicação do Sourcefabric.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Honest Reporting 

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.