Idiomas

Violência política no Quênia ressalta necessidade urgente de lutar contra notícias falsas

Violência política no Quênia ressalta necessidade urgente de lutar contra notícias falsas

Catherine Gicheru | 05/09/17

A verdade é sempre uma vítima durante qualquer campanha política e não foi diferente durante as recentes eleições presidenciais no Quênia. Uma semana antes da votação de 8 de agosto, o Facebook lançou uma iniciativa fortemente divulgada destinada a educar os 6.1 milhões de usuários do Facebook no Quênia em identificar notícias falsas. A campanha incluiu propagandas impressas e de rádio, enquanto os usuários quenianos que iniciaram sessão no Facebook eram imediatamente levados para uma página inicial que listava dicas para verificar notícias.

Os esforços do Facebook vieram em meio a preocupações de que a proliferação de notícias falsas que levaram à eleição aumentaria as tensões entre os partidos políticos no Quênia. De fato, o fim de semana após as eleições viu um dos piores surtos de violência política no Quênia desde 2007. Os protestos foram acompanhados por várias reportagens falsas sobre incidentes violentos que foram amplamente compartilhados nos canais de mídia social.

Segundo um relatório recente da plataforma de pesquisa móvel GeoPoll, os quenianos tendem a confiar mais nas organizações de mídia tradicionais do que nos canais de mídia social. No entanto, isso poderia sofrer um golpe severo, uma vez que a mídia do Quênia não conseguiu cobrir adequadamente a violência pós-eleitoral, o que, de acordo com a comissão de direitos humanos do país, resultou em pelo menos 24 pessoas mortas nas mãos da polícia.

Embora seja difícil dizer até que ponto a desinformação ajudou a contribuir para as tensões políticas no Quênia, sabe-se que as notícias falsas incitam diretamente a violência, com consequências devastadoras em outras regiões... 

Este fracasso percebido em informar adequadamente sobre os protestos violentos pode ter levado os cidadãos a dependerem mais das plataformas de redes sociais para informar e compartilhar notícias e imagens dos incidentes que aconteceram. Esses relatos -- alguns deles falsos -- foram compartilhados amplamente com pouca ou nenhuma tentativa de verificação.

Embora seja difícil dizer em que grau a desinformação ajudou a contribuir para as atuais tensões políticas no Quênia, sabe-se que as notícias falsas incitam diretamente a violência, com consequências devastadoras em outras regiões como o Sudão do Sul. A disseminação da desinformação também impediu os esforços no Quênia para enfrentar alguns sérios problemas de saúde pública: por exemplo, há uma afirmação frequentemente repetida e desmistificada de que as vacinas contra o tétano estão misturadas com hormônios que inibem a fertilidade!

Então, em um ambiente onde abundam informações falsas, notícias falsas e rumores e onde a mentira viaja mais rápido do que a verdade, o que as organizações de notícias e os jornalistas devem fazer?

Aqui estão algumas sugestões:

Busque oportunidades de colaboração

Eu tentei fazer isso com o PesaCheck, a primeira organização de verificação de fatos no Quênia, que compartilha seu material com vários parceiros de mídia no Quênia. Fazer parcerias pode permitir que organizações de notícias desmintam informações falsas mais eficientemente.

A verificação de fatos deve ser parte do padrão

Tanto os jornalistas como as redações devem sempre exercer um ceticismo saudável sobre o que leem, ouvem e são informados. É sua responsabilidade verificar e corroborar o que compartilha com o público.

Apoie o treinamento em literacia mediática

Mais do que nunca, é imperativo que os cidadãos entendam como identificar uma matéria bem reportada em comparação a uma que seja fraca e propagandística. A literacia em mídia -- aprender a identificar o que é e o que não é verdade -- deve ser ensinada em todos os níveis da escola.

Crie novas oportunidades na redação

Dado o ritmo frenético em que as notícias são publicadas e distribuídas, bem como a ampla gama de fontes potenciais para qualquer matéria, as redações precisam de verificadores de fatos mais do que nunca. Acredita-se que há mais de 120 organizações de verificação de fatos em 49 países em todo o mundo e provavelmente haverá mais demanda para esta especialidade, mesmo que outros tipos de posições na redação estejam em declínio.

Amplifique e diversifique

Jornalistas e organizações de notícias devem ampliar e diversificar as vozes daqueles em que a comunidade confia. No Quênia, por exemplo, há vozes como @kenyanpundit@WanjikuRevolt e @KResearcher, que estão entre outros que talvez não tenham treinamento formal em jornalismo, mas têm a confiança de suas comunidades. Assim, em algumas situações, eles podem ser mais eficazes do que os meios de comunicação tradicionais em desmentir notícias falsas e parar a disseminação de informações erradas.

Catherine Gicheru é uma jornalista queniana que trabalha para o Code for Kenya. Saiba mais sobre seu trabalho como bolsista Knight do ICFJ aqui.

Imagem sob licença CC no ObamaWhiteHouse.gov 

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.