Idiomas

'Tentar significa falhar. Falhar significa aprender', diz empreendedora de jornalismo

'Tentar significa falhar. Falhar significa aprender', diz empreendedora de jornalismo

James Breiner | 18/10/13

A cofundadora de um dos mais importantes sites de jornalismo investigativo na Colômbia, La Silla Vacia (A Cadeira Vazia), tem alguns conselhos para aqueles que estão pensando em criar seu próprio site, aplicativo ou outro produto:

"Não pense, faça. Fazer as coisas é a melhor maneira de aprender. Tentar significa falhar. Falhar significa aprender", diz Olga Lucia Lozano, editora criativo do La Silla Vacia. Recentemente, ela compartilhou o que aprendeu nos quase cinco anos de trabalho no site com um "hangout de jornalismo" (Ela aparece por volta dos 30 minutos do vídeo, que é em espanhol.)

Evitando erros

Lozano acredita que os jornalistas precisam educar-se constantemente. Devem compartilhar o que aprendem para que outros possam evitar cometer os mesmos erros. Parte do valor adicionado do La Silla Vacia, diz ela, está nas oficinas e seminários sobre jornalismo investigativo que a equipe oferece para outros meios de comunicação em toda a América Latina.

A equipe está constantemente experimentando novas formas de contar histórias online e novas formas de financiar seu jornalismo. Ela vê as experiências como um cientista: se não produz o resultado desejado, não é um fracasso. É uma experiência de aprendizagem que deve ser compartilhada.

300 mil usuários únicos

La Silla tem uma equipe de 11 pessoas. O site tem em média 300 mil visitantes únicos, 500 mil visitas e um milhão de page views por mês.

Em termos financeiros, cobre seus gastos mas não gera lucro. Os custos mensais, principalmente salários, ficam em US$30.000. No ano passado, 82 por cento de sua receita veio de fontes internacionais: a Open Society Institute, National Endowment for Democracy, Ford Foundation, Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e o Fundo Príncipe Claus.

Dez por cento de sua receita veio de publicidade e 8 por cento de consultorias e oficinas. No final do ano passado, Lozano e Juanita León, cofundadora e editora, decidiram abandonar a consultoria de La Silla em tecnologia e comunicação, porque era uma distração do objetivo da publicação, ou seja, a produção de jornalismo de alta qualidade.

Inovações

La Silla inovou na criação de uma série de listas de "superpoderes" em uma série de setores, incluindo política, finanças e ONGs, todos apresentados em interessantes visualizações de dados.

La Silla também está tentando passar para um sistema de apoio de sua comunidade de leitores. Desde o ano passado o seu "Super Amigos " incluiu 324 pessoas e instituições que contribuíram com cerca de US$11.000. A publicação usou parte desse dinheiro para financiar uma de suas reportagens mais bem-sucedidas, o Proyecto Rosa, que ganhou o Prêmio Alemão de Jornalismo e Desenvolvimento.

O projeto focou em pessoas na Colômbia que perderam suas terras durante as lutas armadas nos últimos anos. Sua narrativa foi construída em torno de uma mulher, Rosa Amelia Hernandez. Artistas plásticos, músicos, jornalistas, pesquisadores e centenas de colombianos contribuíram para criar uma memória coletiva deste capítulo na história do país.

Anti-acadêmica

Lozano estudou jornalismo na universidade e ensina em duas universidades em Bogotá, mas não acredita que universidades estejam preparadas para formar jornalistas. Sua própria biografia no site do La Silla descreve como nos últimos 12 anos ela foi editora de vários sites culturais e artísticos ao mesmo tempo que trabalhava para a mídia impressa.

Ela também foi editora de nova mídia para uma grande organização de notícias, Publicaciones Semana, antes de se juntar ao La Silla. Para a Radio Netherlands, ela criou um curso sobre como escrever para a web e participou de um laboratório de jornalismo empreendedor, copatrocinado pela Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericana. Ela é coautora do livro "Colombiano es..."

Tenha um espírito de negócios

Durante o Hangout mencionado acima, Lozano ofereceu mais duas dicas para empreendedores de jornalismo que querem começar projetos próprios:

  • Pense nos aspectos de negócio desde o início. Boas ideias sem apoio financeiro vão simplesmente desaparecer.

  • Comece pequeno, com poucos funcionários para reduzir custos e evitar a queima de seus recursos financeiros.

Dada a sua experiência, devemos prestar atenção nos seus conselhos.

Este post foi publicado originalmente no blog News Entrepreneurs e reproduzido na IJNet com permissão.

James Breiner é consultor em jornalismo online e liderança. Foi co-diretor do Global Business Journalism Program na Universidade Tsinghua e bolsista do programa Knight International Journalism Fellow, tendo lançado e dirigido o Centro de Periodismo Digital na Universidade de Guadalajara. Visite seus sites News Entrepreneurs e Periodismo Emprendedor en Iberoamérica e siga-o no Twitter.

Imagem de Olga Lucía Lozano sob licença CC no Flickr via Espacio Público

Tags: 

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.