Idiomas

Dicas para usar elementos narrativos em sua reportagem

Dicas para usar elementos narrativos em sua reportagem

Steve Buttry | 10/04/15

Este texto faz parte de uma oficina de redação atualizado de um dos workshops que apresentei pela primeira vez na década de noventa, sobre o uso de elementos de storytelling. Uma versão anterior foi postada no site No Train, No Gain. Eu não adicionei um monte de dicas digitais, mas atualizei a referência à minha idade em mais de uma década.

Eu gostava de ensinar este workshop em combinação com o curso "Writing as You Report". A combinação do meu processo de contar histórias e usar elementos da história é a razão da maior parte do meu sucesso como repórter.

Pense além das 5 perguntas básicas do jornalismo

Não limite a sua pergunta ou o seu pensamento às questões básicas do jornalismo: quem, o quê, quando, onde, por quê e como. Pense em termos dos elementos da história: cenário, personagem, enredo, conflito, clímax, resolução, ação, diálogo e tema.

Os elementos fazem a reportagem

Os elementos da história moldam não só a sua redação, mas a sua reportagem. Por exemplo, você pode responder "quem" com um nome e alguns detalhes básicos, talvez a idade, cidade natal, ocupação: Steve Buttry, 60, professor de jornalismo da Universidade Estadual de Louisiana. No entanto, se você está desenvolvendo um personagem, deve buscar e encontrar consideravelmente mais: pirralho da Força Aérea, filho de pastor, torcedor do Yankee, paciente (e sobrevivente) de câncer, romancista inédito, pai, avô, marido, ex-editor, ex-repórter, péssimo atleta, escoteiro, instrutor de redação, jornalista itinerante, criador de jogo e espertinho.

"Quando" pode ser um lugar no mapa e "onde" um ponto no calendário ou relógio. O cenário é um lugar e tempo ao qual o escritor transporta o leitor. O cenário exige descrição. Evoca os sentidos. Exige relacionamento no tempo e lugar para lugares circundantes e aos acontecimentos que vieram antes e/ou depois.

O enredo não é um conjunto de eventos, mas uma série de eventos, fluindo de um para o outro e conduzindo ao seguinte.

Conflito exige resolução ou explicação da busca da resolução ou a incapacidade de resolver.

Os elementos formam o lide

Os elementos da história podem ajudá-lo a escrever o lide. Qual é o elemento mais importante para a história? Talvez esse deva ser o foco de sua liderança. Qual é o clímax? Talvez seja com esse que você deva abrir a matéria.

A interseção de dois elementos (um personagem em um ambiente, o estabelecimento de um clímax) leva o leitor imediatamente ao ponto de uma história? Então, estabeleça os dois imediatamente, tente ligá-los de forma clara e desenvolvê-los simultaneamente. Um é o elemento secundário para outro, mas ainda essencial? Então, introduza o elemento secundário, mas mantenha o seu desenvolvimento claramente secundário, para que você não mude ou confunda o foco.

Use diálogos, não apenas citações

Se uma citação somente dá ao leitor informações, talvez você deva fazer isso com suas próprias palavras. Use citações se um personagem está falando como um personagem, contando sua própria história, dando a sua opinião, mostrando emoção, usando uma linguagem colorida ou distinta.

Jornalistas demais confundem citações com cor. Citações coloridas dão cor, mas as aspas não tornam a informação mais colorida e não fazem uma frase maçante ficar brilhante. Parafraseie quando você está dando informações ou quando pode dizer algo melhor do que a pessoa que você está citando.

Use o diálogo, no entanto, para dar voz a seus personagens, para dar vida a uma cena para o seu leitor.

Vídeo, áudio e transcrições oficiais podem ser instrumentos eficazes para capturar diálogo e trazer as vozes reais dos personagens de suas histórias.

Quando gravações ou transcrições não estão disponíveis, peça ao entrevistado para reconstruir o diálogo para você. "O que você disse, então? Como é que ela respondeu?"

Considere personagens não-humanos

Às vezes, em uma notícia, reportagam ou matéria, você pode fazer com que o personagem seja outra coisa que não uma pessoa. Em uma matéria médica, a doença pode ser o personagem principal. Em uma matéria de religião, uma igreja pode ser um personagem. Quando você trata de uma instituição ou algo intangível ou inanimado como um personagem, deve desenvolver mais plenamente. Você está mais consciente das ações do personagem, dos conflitos com pessoas reais ou outras instituições ou objetos.

Considere personagens míticos

Você pode criar um personagem "médio" mítico para trazer as estatísticas para a vida real. A pessoa média mítica de um determinado demográfico pode permitir discutir as estatísticas em termos do que é provável que aconteça, ou não aconteça, na vida da pessoa.

Se você puder encontrar alguém que é quase ou exatamente o personagem médio, você pode usar o personagem real para trazer vida a demografia e estatísticas.

Reúna detalhes sobre o cenário

Quando você está apurando a notícia, não sabe se o cenário será o elemento-chave ou um elemento secundário importante. Por isso, reúna as informações como fosse. Vá para a cena do crime ou a cena do desastre. Entreviste o personagem em seu ambiente: casa, trabalho, escola, igreja, local de lazer ou recreação (melhor seria em mais de um lugar).

Quando puder, uma entrevista em movimento é eficaz: comece no local de trabalho, saia para comer, vá de carona no veículo do personagem, peça para ele ou ela lhe para mostrar sua casa e quintal.

Vídeo e fotos podem ser ferramentas importantes para ajudar a colocar o leitor/telespectador no cenário.

Saiba detalhes da trama

Se o enredo pode ser importante, certifique-se de que você sabe a sequência de eventos. Peça aos personagens para mostrarem quem estava aonde, quando os eventos críticos aconteceram. Peça para seguirem os eventos, se possível. Procure documentação que possa esclarecer ou verificar o que aconteceu e quando e quem estava presente. Assista todos os vídeos que possam estar disponíveis.

Procure por contradições e inconsistências nos relatos das pessoas e veja se você pode resolvê-los. Pode não significar que alguém está mentindo, mas pode indicar as diferentes maneiras de se perceber um evento, ou pode mostrar o quão confuso foi.

Decida quanto tempo a sua história deve ter

O sucesso de alguns sites de notícias especializados em formatos longos e o fenômeno do assistir uma série de TV até o fim de uma vez só demonstram que as pessoas se prendem por uma história bem contada. Decida se a sua história justifica uma leitura longa e use elementos da história para prender a atenção de seus leitores/telespectadores.

Mas, muitas vezes, a natureza da história ou expectativas de seus editores ou limites do espaço de impressão ou tempo de transmissão vão exigir que você trabalhe rapidamente para estabelecer elementos da história. Você pode não ter tempo ou espaço para desenvolver todos os elementos. Depois de ter reunido todas essas informações, identifique os elementos mais importantes, os personagens mais convincentes, os momentos-chave, os detalhes mais reveladores. Você pode desenvolver um personagem totalmente, mas têm apenas algumas palavras para estabelecer personagens menores.

Assista a rapidez com que um bom comercial de televisão estabelece um personagem ou cenário, ou a rapidez com que resolve um conflito. Leia o meu post sobre aprender técnicas narrativas de compositores.

Este post foi publicado originalmente no blog The Buttry Diary de Steve Buttry e é traduzido para a IJNet com permissão.

Imagem sob licença CC no Flickr via boellstiftung

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Twitter message links are opened in new windows and rel="nofollow" is added.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
Please log in or register in order to comment this post.